Homem identificado pelo DNA em lata de cerveja é condenado por assalto a banco em SP

Francisco Martins da Costa Júnior foi identificado por um exame de DNA a partir da saliva encontrada em uma lata de cerveja no local do crime. (Foto: Getty Creative)
Francisco Martins da Costa Júnior foi identificado por um exame de DNA colhido em uma lata de cerveja no local do crime. (Foto: Getty Creative)

Um homem de 50 anos, que foi identificado por um exame de DNA a partir da saliva encontrada em uma lata de cerveja no local do crime, foi condenado a 16 anos e oito meses de prisão.

Francisco Martins da Costa Junior era réu por ter participado de um mega-assalto à agência da Caixa Econômica Federal em Santos, no litoral paulista, em 17 de dezembro de 2017.

A condenação foi estabelecida pelo juiz Roberto Lemos dos Santos Filho, da 5ª Vara Federal de Santos. A quadrilha levou armas, dinheiro e joias penhoradas que estavam em um cofre da agência e causaram prejuízo de mais de R$ 20 milhões ao banco.

De acordo com o G1, uma outra mostra de DNA recolhida em uma tentativa de assalto a uma empresa de locação de cofres na capital paulista, em 2019, também levou ao perfil do mesmo réu. Nessa segunda ocasião, o material genético de Junior foi recolhido em um par de luvas, camisa e boné deixados no local.

A defesa chegou a pedir pela absolvição do réu com a alegação de que a prova da presença dele no assalto à Caixa no litoral paulista dependeria da comprovação da sua participação no assalto em São Paulo. Porém, o juiz do caso rejeitou o pedido.

Mega-assalto

O mega-assalto a uma agência da Caixa Econômica Federal localizada no centro de Santos ocorreu em 17 de dezembro de 2017. Francisco Martins da Costa Junior e mais nove pessoas entraram no banco armados, vestindo uniformes da Polícia Militar (PM) e com máscara no rosto para evitar serem identificados. Segundo a polícia, eles fizeram uma vigia da agência de refém enquanto realizavam o assalto. Eles levaram dinheiro, armas e joias penhoradas, que estavam nos cofres do banco.