Homem invade festa aos gritos de 'Aqui é Bolsonaro' e mata dirigente petista, diz polícia

Marcelo Arruda
Marcelo Arruda foi assassinado enquanto comemorava seu aniversário em Foz do Iguaçu

O texto foi corrigido às 18h45 de 10 de julho de 2022*.

O guarda municipal e dirigente petista Marcelo Aloizio Arruda foi morto a tiros em sua festa de aniversário pelo policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho, que invadiu o evento em Foz do Iguaçu aos gritos de "Aqui é Bolsonaro!", segundo informações de testemunhas à Polícia Civil do Paraná.

Ainda de acordo com boletim de ocorrência da polícia paranaense, Guaranho disparou duas vezes contra Arruda, que revidou com três tiros. A polícia havia divulgado inicialmente que Guaranho tinha morrido por causa dos disparos, mas depois corrigiu a informação e disse que ele está sob custódia em um hospital da região.

Não há detalhes sobre o estado de saúde dele, que é grave.

Segundo as pessoas ouvidas pela polícia, os dois não se conheciam até o momento do crime, na noite de sábado (09/07).

"Marcelo, no seu ato derradeiro e heroico, salvou inúmeras vidas, pois o fascista também ameaçava e poderia ter assassinado a todos na festa, inclusive a sua família", afirmou o PT.

Marcelo Aloizio Arruda celebrava seus 50 anos na sede da Associação Esportiva Saúde Física Itaipu em uma festa cuja decoração tinha foto de Lula e símbolos do PT. Ele era pai de quatro filhos, entre eles um bebê, e havia concorrido na eleição de 2020 ao cargo de vice-prefeito de Foz do Iguaçu.

Segundo a Polícia Civil do Paraná, Guaranho, de 38 anos, foi duas vezes ao local da festa. Na primeira, chegou aos gritos de "Aqui é Bolsonaro" enquanto a mulher e o filho pequeno aguardavam no carro.

De acordo com testemunhas presente na comemoração, Guaranho fazia provocações e ameaças de morte aos presentes enquanto sua mulher gritava do carro para irem embora dali. Eles deixaram o local em seguida.

Cerca de vinte minutos depois, no entanto, Guaranho voltou sozinho e armado ao local do aniversário. Nesse momento, a mulher de Arruda se identificou como policial civil e Arruda, como guarda municipal. Foi quando Guaranho atirou duas vezes no petista, que revidou com três tiros, segundo a Polícia Civil do Paraná.

Em suas redes sociais, Guaranho tem postagens de apoio ao presidente Bolsonaro e fotos fazendo o símbolo de arma com as mãos. Lideranças do PT atribuíram o crime ao que chamaram de "discurso de ódio bolsonarista".

Em entrevista à TV Globo, Pamela Suelen Silva, esposa de Arruda, afirmou que o marido salvou a vida de outras pessoas que estavam na festa. "O Marcelo defendeu todos que estavam lá, mas nós o perdemos. Estou sem chão. Tudo isso que aconteceu é uma extrema estupidez", disse.

"Uma pessoa, por intolerância, ameaçou e depois atirou nele, que se defendeu e evitou uma tragédia maior. Duas famílias perderam seus pais. Filhos ficaram órfãos, inclusive os do agressor", escreveu o ex-presidente Lula em seu perfil no Twitter, com base nas informações iniciais da polícia de que Guaranho teria morrido também.

"Também peço compreensão e solidariedade com os familiares de José da Rocha Guaranho, que perderam um pai e um marido para um discurso de ódio estimulado por um presidente irresponsável."

"Basta de violência! Basta de destruição! É tempo de reconstrução e transformação do Brasil e das relações entre brasileiros e brasileiras! Vamos chorar e enterrar mais um companheiro que tombou vítima da violência política, basta!", afirmou nota assinada por Gleisi Hoffmann, presidente do PT, e por Abdael Ambruster, coordenador nacional do setorial de segurança pública do PT.

No início da noite, o presidente Jair Bolsonaro se manifestou sobre o caso nas redes sociais, mas não lamentou a morte do guarda municipal nem apresentou condolências à família de Arruda.

"Dispensamos qualquer tipo de apoio de quem pratica violência contra opositores. A esse tipo de gente, peço que por coerência mude de lado e apoie a esquerda", escreveu no Twitter. "Que as autoridades apurem seriamente o ocorrido e tomem todas as providências cabíveis."

*A versão inicial deste texto informação que Jorge José da Rocha Guaranho havia morrido, conforme divulgado pela polícia do Paraná. Horas depois, as autoridades corrigiram a informação e divulgaram que Guaranho está internado em estado gravee e sob custódia em um hospital da região.

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos