Homem mais alto do Brasil arrecada R$ 149 mil para cirurgias com vaquinha online

·1 min de leitura
Foto: Reprodução da internet.
Foto: Reprodução da internet.
  • 'Ninão', como é conhecido, conseguiu arrecadar R$ 149 mil em vaquinha online;

  • O dinheiro ajudará o homem mais alto do Brasil a fazer cirurgias necessárias;

  • Há quatro anos, Joelison sofre com osteomielite e problemas relacionados à altura.

Joelison Fernandes da Silva, conhecido pelo apelido de ‘Ninão’, tem 36 anos e é considerado o homem mais alto do Brasil. Sofrendo com problemas advindos da altura, de 2,37 metros, e também da osteomielite, que o impossibilita de caminhar e gera dores, Joelison arrecadou, por meio de uma campanha online, R$ 149.322,47 para realizar cirurgias.

Leia também:

Atualmente, Ninão afirma que a maior dificuldade é a de se locomover dentro de casa. Pesando mais de 200 quilos, o homem mais alto do país diz que é ativo, mesmo com a doença o afetando e estando em uma cadeira de rodas.

A doença foi diagnosticada há quatro anos. Contudo, há uma década, alguns sintomas já se apresentavam. Como efeito, criou-se uma infecção, provavelmente causada por fungos ou bactérias, que atingiu o osso: um dos principais motivos das dores.

Com a situação alarmante, os médicos indicaram que Ninão fizesse a cirurgia e também uma implementação de prótese. Agora, Joelison arca com custos mensais de R$ 500 para comprar remédios: praticamente metade da renda familiar.

Ninão vive com a esposa, Assunção, no sertão paraibano. Somadas as rendas, os dois recebem um salário mínimo. 

Natural de Taperoá, município da Paraíba, Joelison percebeu o gigantismo aos 14 anos, quando media quase dois metros. Na época, com a opção de operar, recusou o procedimento.

O crescimento parou há quatro anos, com o uso de remédios.

As informações são do Portal iG.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos