Homem que matou rapaz em bar de SC nega motivação política e alega legítima defesa

Homem matou Hildor Henker (foto) esfaqueado em bar - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Homem matou Hildor Henker (foto) esfaqueado em bar - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Homem que matou amigo em bar na cidade de Rio do Sul-SC apresentou-se à polícia

  • Ele negou que tivesse agido por motivação política e alegou legítima defesa

  • Rapaz foi liberado e polícia continua investigando o caso

O homem que matou a facadas um colega em um bar na cidade de Rio do Sul, em Santa Catarina, apresentou-se à polícia na tarde da última terça-feira (27) e confessou o crime.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Juliano Tumitan, porém, o criminoso não falou em motivação política ao justificar o ataque. O rapaz afirmou que agiu em legítima defesa.

Ao g1, a defesa do suspeito confirmou que ele se entregou em uma delegacia da região e garantiu que "os fatos não se deram por razões políticas".

Após prestar depoimento, o homem foi liberado pela polícia. Os agentes já ouviram as principais testemunhas e agora estudam o que teria acontecido durante o episódio.

"(O criminoso) disse que eram amigos e que estavam bebendo juntos. Teve um desentendimento, foi levado para fora do estabelecimento. Disse que, para se defender, usou o canivete. Pegou na perna, na veia femural, o que levou à morte da vítima", relatou ao g1 o delegado Tumitan.

Entenda o caso

Hildor Henker, de 34 anos, morreu no último domingo (25) em um hospital da região, um dia depois de ter sido esfaqueado enquanto bebia em um bar.

O crime aconteceu por volta das 16h30. Hildor e o suspeito, de 58 anos, estavam bebendo juntos, mas se desentenderam e começaram a discutir.

Segundo testemunhas, durante o bate-boca, o suspeito teria dado um tapa na cara da vítima, que o segurou pelo pescoço e o arrastou para fora do bar.

Quando ambos voltaram para dentro do estabelecimento, Hildor já estava ensanguentado. A vítima foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e encaminhada ao Hospital Regional de Rio do Sul, mas não resistiu.

Uma das suspeitas levantadas de imediato foi de que os envolvidos se desentenderam por uma desavença política.

De acordo com informações passadas à NSC TV pelo delegado Tumitan, Hildor estava vestido com uma camisa de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL), enquanto o suspeito seria um conhecido simpatizante do PT.