Homem morre após receber por engano rim com câncer em transplante

Um homem chamado Parminder Singh Sidhu, de 49 anos, faleceu um ano após fazer uma cirurgia de transplante, ele desenvolveu complicações depois do procedimento, e foi diagnosticado que o paciente recebeu por engano um rim com câncer.

Esse quadro tem uma enorme improbabilidade de acontecer, de acordo com o portal Mirror, a legista da área que atua em Londres, Lydia Brown, registrou que um órgão doador cancerígeno é uma complicação reconhecida, mas muito rara em um transplante planejado.

Quatro meses após o transplante foi feita uma investigação que revelou um crescimento no órgão, mas na época foi descartado como um cisto. Mais tarde descobriu-se que era uma forma extremamente agressiva de câncer, que acabou se espalhando a partir do órgão doado.

Sidhu, de Hounslow, no oeste de Londres, desenvolveu problemas renais pela primeira vez aos 30 anos e já havia feito anteriormente um transplante bem-sucedido na Índia. No entanto, o órgão acabou tendo um problema e Sidhu, que trabalhava como aeroportuário, decidiu removê-lo e substituir por outro.

A viúva do homem, Tarjinder, 47, disse que seu marido confiava plenamente em seus médicos, e que não entende como puderam não perceber o que aconteceu com o seu companheiro.

Frank Dor, cirurgião consultor de transplantes do Imperial College Healthcare NHS Trust, disse que estão todos chocados com o que aconteceu.

“Não houve preocupação com o órgão doado. Ficamos todos muito chocados. Mesmo retrospectivamente, não conseguimos encontrar nenhuma razão para que esse transplante não tivesse acontecido, argumentou o cirurgião.

Segundo inquérito, a equipe médica não tinha motivos para suspeitar que a doadora tinha câncer, pois ela havia morrido devido a um ferimento na cabeça. Mas, o câncer foi descoberto no paciente que recebeu o órgão e já havia se espalhado para sua coluna. Apesar de removê-lo, Sidhu faleceu em março deste ano.