Homem morre baleado durante confronto entre PMs e bandidos em Jacarepaguá; COR pede que motoristas evitem a região

Ana Carolina Torres e Diego Amorim
·2 minuto de leitura
Diego Amorim / Agência O Globo

RIO — Um homem foi baleado e morreu durante um confronto entre policiais militares do 18º BPM (Jacarepaguá) e bandidos na Avenida Edgard Werneck, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, na manhã desta segunda-feira. O corpo de Marcelo Guimarães está no local. A perícia da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) foi acionada. O Centro de Operações Rio (COR) publicou um alerta em suas redes sociais para que a região seja evitada pois há bloqueios no trânsito.

trechos da Edgard Werneck foram interditados na altura da Cidade de Deus. Há interdição tamém no acesso da Estrada do Gabinal para a Avenida Ayrton Senna. Motoristas devem acessar o desvio no Giro do Cebolinha e retornar para Jacarepaguá. Já o Giro do Cebolinha tem interdições no retorno da Avenida Ayrton Senna, no sentido orla em direção à Linha Amarela. Motoristas devem seguir pela Via Sesc e fazer o retorno na Avenida Embaixador Abelardo Bueno.

Segundo o COR, o trânsito está congestionado em Jacarepaguá e nos acessos à Barra da Tijuca. As opções para os motoristas são a Estrada dos Bandeirantes e, depois, Estrada Coronel Pedro Corrêa e Avenida Embaixador Abelardo Bueno.

PM nega operação

O confronto começou quando equipes do 18º BPM que faziam um patrulhamento na Edgard Werneck foram alvos de disparos feitos por bandidos que estavam na Cidade de Deus, informou a PM. Os agentes revidaram.

— Não houve operação da PM no local. Marginais rechaçaram com disparos nosso blindado, que vem sendo posicionado no local para dissuadir possíveis investidas. Nesse contexto foi atingido um motociclista que vinha saindo da comunidade e, pela posição dos disparos, é improvável que tenha sido vitimado pelas guarnições da PM — disse o coronel André Silveira, comandante do 18º BPM.

O clima é tenso no lugar onde ocorreu o confronto, de acordo com relatos em redes sociais. Policiais estão no local para impedir que um grupo de pessoas feche ruas para protestar contra a morte do rapaz, que trabalhava numa marmoraria. Parentes, amigos e colegas de trabalho da vítima estão no local.