Homem morto na Penha havia sido indiciado em inquérito que originou operação no Jacarezinho em 2021

RIO — Um dos mortos na operação na Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, na última terça-feira, Patrick Andrade da Silva, o PT, foi apontado pela Polícia Civil como integrante do tráfico de drogas na favela do Jacarezinho em 2021. Ele foi indiciado em inquérito que deu origem à operação na comunidade que terminou com 28 mortos, a mais letal da história do Rio.

Patrick já tinha passagens pela polícia por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Na operação do ano passado, no Jacarezinho, ele não foi preso e nem ferido. Depois da ação da polícia na comunidade, ele teria migrado para o Complexo da Penha, onde acabou sendo morto.

"PT", suspeito de ser integrante da maior facção do Rio de Janeiro, tinha completado 22 anos no último dia 4 e nasceu em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Na investigação que culminou com a operação no Jacarezinho, Patrick foi identificado por seu perfil no Twitter, no qual fazia postagens armado e com provocações à polícia. Após a ação, ele trocou de perfil, que passou a ser trancado.

Patrick é um dos 25 mortos na operação da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal na Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha, nessa terça-feira.

A operação no Jacarezinho foi fruto de investigação iniciada a partir da apreensão de fotografias de traficantes por Policiais Militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Jacarezinho, iniciando um trabalho de inteligência pelo Setor de Busca Eletrônica especializada analisando as redes sociais Twitter, Facebook e Instagram, vinculados ao tráfico de drogas do Jacaré.

O relatório final de Inquérito Policial indiciou Patrick de Andrade da Silva e mais de 20 pessoas. Os nomes dos criminosos identificados e suas condutas práticas foram extraídos do relatório de investigação feito pelo Setor de Busca Eletrônica.

A operação mais letal da história do estado, no Jacarezinho, completou um ano dia 5 de maio, um dia depois do aniversário do "PT". As investigações já chegaram ao fim com saldo de 24 mortes arquivadas e quatro que motivaram denúncias - pelos homicídios de Isaac Pinheiro de Oliveira e Richard Gabriel da Silva Ferreira, a remoção do corpo de Omar Pereira e o homicídio do inspetor André Frias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos