Homem preso em ataque ao marido da presidente da Câmara dos Deputados dos EUA enfrenta acusações

Por Carlos Barria e Kristina Cooke

SÃO FRANCISCO (Reuters) - Um homem que agrediu o marido da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, na cabeça com um martelo, gritando "Onde está Nancy?", enfrenta acusações de tentativa de homicídio e outros crimes.

A polícia inicialmente não apresentou um motivo para o ataque, que ocorreu sexta-feira, contra Paul Pelosi, 82 anos. Segundo o gabinete da sua esposa, ele passou por cirurgia para uma fratura no crânio e ferimentos em seu braço direito e mãos. Os médicos esperam que a recuperação seja completa.

O ataque ocorreu após invasão da casa de Paul e Nancy em São Francisco.

Mas o ocorrido gerou medo de violência política, menos de duas semanas antes das eleições de meio de mandato em 8 de novembro que decidirão o controle da Câmara e do Senado, em meio a um dos climas políticos mais cáusticos e polarizados dos EUA em décadas.

Nancy Pelosi, de 82 anos, uma democrata que está em segundo lugar na linha de sucessão constitucional da presidência dos EUA, estava em Washington com sua equipe de segurança no momento da agressão.

Ela voou para São Francisco para ficar com seu marido.

A polícia identificou o homem preso no local pelos agentes que intervieram no ataque como David Depape, 42. Ele, também, foi levado a um hospital de São Francisco.

Registros online do xerife mostraram que ele foi colocado sob custódia por suspeita de tentativa de assassinato, agressão com arma letal, abuso de idosos, agressão, roubo e vários outros crimes. A expectativa é que acusações formais sejam feitas pelo escritório da promotoria pública de São Francisco.

O chefe da polícia de São Francisco, William Scott, disse a jornalistas na noite de sexta-feira que detetives da polícia, com o auxílio de agentes do FBI, ainda não haviam determinado a motivação à invasão, mas afirmou: "Nós sabemos que não foi um ato aleatório".

O intruso gritou "Onde está Nancy?" antes de atacar, segundo uma pessoa que recebeu informações sobre o incidente, mas falou com a Reuters sob condição de anonimato.

Em um comunicado, o porta-voz de Nancy Pelosi, Drew Hammill, disse que o marido dela havia sido atacado por "um agressor que agiu com força e ameaçou sua vida", enquanto exigia vê-la.