Homem preso por atropelar grupo bolsonarista afirma ter sido agredido

Apoiadores de Jair Bolsonaro fazem manifestação golpista (Foto: Mateus Bonomi/Anadolu Agency via Getty Images)
Apoiadores de Jair Bolsonaro fazem manifestação golpista (Foto: Mateus Bonomi/Anadolu Agency via Getty Images)

O motorista preso em flagrante por tentativa de homicídio após atropelar um grupo de bolsonaristas em um bloqueio na Rodovia Washington Luís, em Mirassol (SP), na tarde de quarta-feira (2), disse à Polícia Civil que acelerou o carro após ser agredido pelos participantes do ato.

Apesar de 17 pessoas terem sido atingidas pelo veículo, entre elas duas meninas de 10 e 11 anos, três PMs e outras 12 pessoas, ninguém morreu.

O homem foi preso e encaminhado para a Divisão Especializada de Investigações Criminais (DEIC) de São José do Rio Preto (SP). Ele vai passar por audiência de custódia nesta quinta-feira (3).

O setor de investigação da Polícia Civil de Mirassol segue coletando depoimentos de testemunhas para descobrir se o relato do motorista é verdadeiro.

O grupo, atingido pelo automóvel, estava no meio da pista enquanto várias pessoas gravavam vídeos do ato. Neste momento, um carro de cor prata acelerou e atropelou o grupo.

Maurício Noé Cavalari, capitão da Polícia Militar Rodoviária de São José do Rio Preto (SP), informou que o motorista só parou o veículo quando os policiais o abordaram.

“Estávamos em negociação com os manifestantes para poder desobstruir a via por completo. A negociação era pacífica, quando teve a interrupção total da pista. Alguns manifestantes chegaram a deitar na rodovia. Não houve uso de força, mas um condutor arrancou bruscamente sobre as pessoas. Ele só parou quando os policiais fizeram a abordagem”, disse o capitão.

O coronel do Comando de Policiamento do Interior 5 (CPI-5), Carlos Enrique Forner, disse que os manifestantes tentaram agredir o motorista que atropelou o grupo, mas foram impedidos por equipes da corporação. Muitas pessoas cercaram o carro depois do atropelamento e danificaram o veículo.

"Desde o início das manifestações, nós temos tido interdição pelos caminhoneiros. Essa parte já estava controlada, mas, infelizmente, temos alguns manifestantes sapecas. Eles estavam na pista, fazendo uma manifestação pacífica, quando um dos motoristas investiu contra os manifestantes. A própria polícia fez a abordagem. Tínhamos a preocupação porque os manifestantes queriam linchar o motorista", afirmou o coronel.