Homem que agrediu Macron é condenado a 18 meses de prisão, 14 com sursis

·3 minuto de leitura
O presidente francês Emmanuel Macron voltou a cumprimentar simpatizantes poucas horas após o tapa

Um tribunal francês em Valence (sudeste) condenou, nesta quinta-feira (10), o homem que agrediu o presidente Emmanuel Macron a 18 meses de prisão, dos quais 14 com suspensão condicional da pena.

O tribunal da cidade de Valence (sudeste da França, departamento de Droma) acatou parcialmente o pedido do Ministério Público, que havia solicitado uma pena de 18 meses de prisão contra Damien Tarel, de 28 anos, por "violência contra pessoa que detém autoridade pública".

O homem admitiu em uma audiência judicial ter batido no rosto do presidente há dois dias, durante uma visita à cidade de Valence.

O tribunal também ordenou que Damien Tarel - sem antecedentes criminais - trabalhasse ou fizesse treinamento, e foi proibido de porte de arma por cinco anos.

Durante a audiência, o promotor Alex Perrin considerou que a agressão, que qualificou de "absolutamente inadmissível", foi um "ato de violência deliberada".

Perrin disse estar preocupado com um possível risco de reincidência, assegurando que percebeu "uma espécie de determinação fria" no homem que disse simpatizar com o movimento antigovernamental dos "coletes amarelos".

Este movimento de protesto contra a política social e fiscal do governo francês nasceu em novembro de 2018 e durante quase um ano realizou manifestações por vezes violentas em diferentes partes da França.

Damien Tarel, que declarou ter afinidades com a direita e a extrema direita, disse que seu grito de "Montjoie Saint Denis", que ele emitiu antes da agressão, "refere-se ao grito de guerra histórico dos cavaleiros franceses".

“É também um lema patriótico”, disse no tribunal o homem, que está desempregado, vive de assistência social e não trabalha desde a morte do pai, há dois anos.

Em sua petição, sua advogada Elodie Guellier queixou-se do papel da imprensa. "Ele vive um inferno há 48 horas", disse ele, e pediu ao tribunal que relativizasse os fatos.

Apelando ao tribunal para que não houvesse “justiça excepcional” ou justiça “para o exemplo”, sugeriu, em vão, trabalhos de interesse geral, já que a prisão “não levará a lugar nenhum”.

- "Otimismo" -

O incidente ocorreu na terça-feira na cidade de Tain-l'Hermitage, enquanto Macron abordava um grupo de pessoas durante uma visita presidencial,

O tapa provocou a indignação de toda a classe política francesa. O presidente, porém, relativizou o incidente, chamando-o de "ato isolado" cometido por "indivíduos ultraviolentos".

Nesta quinta-feira, Macron voltou a minimizar o episódio e avaliou que o país não estava sob tensão como durante a crise dos “coletes amarelos” e disse preferir insistir no ambiente de “otimismo” que sente na França.

“O que sinto no país é otimismo, é uma vontade de recuperar a vida, é dinamismo” e “muita gente quer trabalhar a plena capacidade” num momento em que a crise de saúde diminui, disse o presidente francês, após um almoço com a seleção francesa de futebol às vésperas da Eurocopa.

"Não vamos fazer com que esse ato tolo e violento diga mais do que o necessário." “É preciso relativizar e não banalizar nada”, mas “não é grave receber um tapa quando se vai para uma multidão”, acrescentou.

Macron, de 43 anos, buscará no próximo ano um segundo mandato, tendo a líder da extrema direita Marine Le Pen como sua principal rival, de acordo com as pesquisas.

Le Pen disse concordar com Macron que foi um "ato isolado". “Esse tipo de comportamento é inaceitável em uma democracia”, acrescentou.

ube/fga/sr/dlm/jz/mis/mb/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos