Homem que fez refém em aeroporto é PM e teve surto psicótico

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
  • Homem que fez funcionária da Gol de refém é PM e trabalha no Paraná

  • Ele estava afastado para realizar um tratamento psiquiátrico, mas teve um surto psicótico

  • De acordo com sua corporação, o rapaz está na polícia há sete anos e nunca causou problema

O homem que protagonizou cenas de tensão no Aeroporto Internacional de Guarulhos no último domingo, ao fazer de refém uma funcionária da Gol, é policial militar. Frederico Correia Resende tem 36 anos e trabalha no Batalhão de Polícia Ambiental Força Verde, em Foz do Iguaçu-PR.

Leia também

Durante a ação, ele desabafou contra a decisão da corporação de afastá-lo para tratamento médico. De acordo com o site Metrópoles, Resende está há sete anos na polícia e nunca havia apresentado problemas.

“Resende sempre foi considerado um excelente policial tanto por seu comandante imediato quanto por seus companheiros de serviço”, afirmou o órgão.

Resende utilizou caneta para manter funcionária refém - Foto: Reprodução
Resende utilizou caneta para manter funcionária refém - Foto: Reprodução

Já o UOL explicou que, de acordo com o registro da ocorrência, o PM teve um surto psicótico, justamente após ter sido liberado pela corporação para realizar tratamento psiquiátrico.

A PM do Paraná relatou, ainda, que Resende aproveitou o período de afastamento para visitar seus familiares na Bahia, para onde estava indo.

Policiais precisaram negociar com Resende - Foto: Reprodução
Policiais precisaram negociar com Resende - Foto: Reprodução

O policial fez uma comissária de bordo de refém no terminal 2 do aeroporto ao ameaçá-la com uma caneta em seu pescoço. Ele alegava, também, ter uma bomba na mochila que carregava.

PM alegou que estava sendo perseguido

Resende afirmou ter sido perseguido em seu voo até São Paulo por pessoas que queriam matá-lo e matar também seu capitão. Ao desembarcar, se aproximou da comissária, pediu uma caneta emprestada e utilizou o objeto para ameaçá-la.

"Eles fazem a cagada, fazem a corrupção e suicida o policial bom. Por que eu vou me suicidar se eu tenho três anos estudando medicina? Eu tenho um futuro brilhante pela frente, por que eu vou me suicidar? Eles queriam fazer o meu suicídio", disse durante a ação.