Homem que lutava contra câncer deixa carta antes de morrer de Covid-19: ‘Lutei até onde pude’

·2 minuto de leitura
Raphael, ao lado de Rhavi e Estela - Foto: Arquivo Pessoal
Raphael, ao lado de Rhavi e Estela - Foto: Arquivo Pessoal
  • Raphael morreu no domingo, após longa batalha contra um câncer e a Covid-19

  • O rapaz deixou um bilhete para seus parentes e amigos antes de morrer

  • Ele chegou a lançar campanha para comprar um medicamento de R$ 360 mil

Após mais de um ano batalhando pela vida, Raphael Melo Voltan não resistiu e morreu no último domingo (22) em Jundiaí, São Paulo. O câncer e a Covid-19 levaram o rapaz de apenas 31 anos, mas não sem antes ele deixar uma mensagem de despedida para sua família.

De acordo com informações do G1, Raphael escreveu o bilhete à mão e o entregou para a mãe, Dilma. A gravidade de seu quadro fez com que o homem soubesse que dificilmente reverteria aquela situação.

Leia também:

“Amo vocês. Lutei até onde pude. Cuide do Rhavi. Eu amo muito ele, todos vocês. Fiquem com Deus”, escreveu.

Rhavi, citado no bilhete, é o filho que nasceu justamente enquanto Raphael lutava pela vida e, segundo sua namorada, Estela Mastellari, de 35 anos, deu novo sentido aos últimos meses do rapaz.

"Ele fazia tudo pelo Rhavi, o amava muito. Era uma pessoa alegre, engraçada. Podia estar fraco, mas fazia questão de estar junto. Amava os amigos e a família”, contou ao G1.

Raphael descobriu o linfoma não-Hodgkin em abril de 2020, quando Estela estava grávida de Rhavi. Após mais de um ano de batalha, ele apresentou piora significativa no último dia 29, com dificuldades para respirar.

Bilhete escrito pelo rapaz - Foto: Arquivo Pessoal
Bilhete escrito pelo rapaz - Foto: Arquivo Pessoal

A melhora veio e com ela a alta hospitalar no Dia dos Pais, mas naquela mesma semana, Raphael testou positivo para a Covid-19. Já muito debilitado, precisou ser levado para o hospital no dia 11 de agosto. Ele ainda foi transferido para um outro centro médico, mas não resistiu.

"Ele não podia ser intubado, com os tumores no peito não seria possível. Ele ficou no isolamento e, infelizmente, a Covid só adiantou as coisas. O pulmão já estava bem debilitado. Ele queria muito viver. É uma dor tremenda", disse Estela.

A namorada relatou que, apesar da fragilidade, Raphael fez questão de ser um pai presente e viu Rhavi completar seu primeiro ano de vida. “Ele lutou muito por nós.”

Campanha por remédio

Ao longo da batalha, Raphael chegou a fazer uma campanha para arrecadar fundos para comprar um medicamento necessário para sua sobrevivência, que custava R$ 360 mil.

Graças ao apoio dos pais e de amigos, o rapaz conseguiu realizar o tratamento com o remédio “Pembrulizumab”.

“Ele foi muito grato pelo que fizeram para ele. Graças às pessoas que ajudaram, ele pôde fazer o tratamento. Os pais dele, Dilma e Rubens, sempre estiveram com ele”, disse Estela.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos