Homem que matou jovem a pauladas responderá por feminicídio

Homem que matou jovem a pauladas responderá por feminicídio

Após a Justiça ter aceitado a denúncia feita pelo MP-SP (Ministério Público de São Paulo) a respeito da morte da jovem transexual Larissa Rodrigues da Silva, o réu Jonatas Araújo dos Santos pelo crime de feminicídio. Na denúncia feita pelo promotor Romeu Galiano Zanelli Junior, é citada a qualificadora do artigo 121 do Código Penal (homicídio).

O feminicídio foi tipificado em 2015, a partir da lei 13.104 e busca punir crimes em que ocorreu desprezo pela existência da mulher. Na denúncia, é dito que Santos cometeu o assassinato “por razões da condição de sexo feminino (menosprezo e discriminação à condição de mulher da vítima)”.

Larissa trabalhava como garota de programa perto da avenida Indianópolis, na zona sul de São Paulo, e foi abordada pelo réu no último dia 4. Ela estava acompanhada de uma amiga quando o homem parou seu carro perto das duas e disse que tinha sido roubado. As duas disseram que não sabiam de nenhum roubo.

Ele foi embora e depois de um tempo voltou para a região em que as amigas estavam e, com um pedaço de madeira, surpreendeu a jovem com golpes em sua cabeça. Com a força e a insistência das agressões, Larissa morreu no local. A amiga dela conseguiu fugir, mesmo tendo sido perseguida pelo réu.

Por conta dos detalhes, a denúncia também citou as qualificadoras de meio cruel e de impossibilidade de defesa da vítima. A primeira foi citada por Santos ter dado seguidos golpes na cabeça da vítima com um pedaço de madeira, o que “provocou-lhe intenso e desumano sofrimento”. Já a segunda, por Santos ter atacado Larissa “de surpresa, em circunstâncias em que ela não poderia esperar que seria agredida da forma como foi”.

No dia do crime, o réu matou a jovem e, em seguida, pegou seu carro que estava estacionado perto da região e foi embora. Dois dias depois do crime, o homem se apresentou à Polícia Civil e afirmou que tinha agido em legítima defesa.