Homem que morreu após explosão em carro ia matar a esposa e a filha, diz testemunha

Homem morreu carbonizado dentro do próprio veículo - Foto: Reprodução
Homem morreu carbonizado dentro do próprio veículo - Foto: Reprodução
  • Homem morreu carbonizado após uma explosão dentro do próprio veículo

  • Rapaz estava com galão de combustível e acendeu um cigarro

  • Segundo testemunhas, ele tentaria matar a mulher e a filha incendiadas

O homem que morreu carbonizado após uma explosão em seu carro em Barra do Turvo, interior de São Paulo, tentava matar a própria esposa e a filha. Foi o que relatou uma testemunha ao g1.

Djanir Luiz Rosa Coutinho, de 36 anos, morreu na última quinta-feira (4) após entrar no veículo com uma garrafa cheia de gasolina e acender um cigarro. Imagens registradas por testemunhas mostram o interior do automóvel incendiado, enquanto testemunhas tentam resgatar a vítima.

Uma testemunha ocular, que preferiu não ser identificada, contou que Djanir havia brigado com a mulher momentos antes do episódio. A esposa, então, procurou a delegacia da cidade e registrou boletim de ocorrência contra o rapaz, por ameaças e violência doméstica.

Com medo do que o marido pudesse fazer, a mulher pegou a filha e foi para o Conselho Tutelar municipal. A esposa contou que Djanir havia ameaçado de morte ela e a criança caso uma denúncia fosse feita.

"Ele trouxe a gasolina na intenção de matar as duas. A gente entende que ele tinha premeditado", disse a testemunha. "Pelo olhar dele, a intenção era de fazer a tragédia ali. Se não tivesse a intenção, não teria levado dois litros de gasolina em garrafa pet. Sabia que ele ia provocar uma tragédia."

O suspeito teria tentado entrar com o galão de gasolina no Conselho Tutelar, mas foi impedido. Questionado sobre o motivo do combustível, ele segurou a garrafa, abriu o capô do carro e disse que o abasteceria.

Djanir teria jogado a gasolina no próprio corpo e tentado, novamente, invadir o local, mas acabou novamente barrado. O rapaz, então, voltou para o veículo e acendeu um cigarro, momento em que causou a explosão.

Conselheira relata episódio

A conselheira responsável por impedir a entrada do rapaz nas duas oportunidades contou que ele estava "transtornado" e parecia alcoolizado.

"Me desesperei. Ele estava transtornado, não aceitou nenhuma palavra. Vi que saiu com um galão de 2 litros [de gasolina] do carro e deduzi que ele ia botar fogo em tudo", contou.

Pessoas que passavam pelo local e presenciaram a explosão ainda tentaram salvar Djanir, mas, segundo a testemunha, os extintores utilizados não funcionaram.

"Todo mundo que apareceu para ajudar, o extintor não funcionava. Quando conseguiram apagar, ele já estava morto."