Homem se entrega à polícia de SP e diz que participou de assassinatos de Dom e Bruno

Morte de dupla no AM: Jovem que se entregou diz ter visto suspeito atirar primeiro em Dom e depois em Bruno - Foto AP Photo/Eraldo Peres
Morte de dupla no AM: Jovem que se entregou diz ter visto suspeito atirar primeiro em Dom e depois em Bruno - Foto AP Photo/Eraldo Peres

Gabriel Pereira Dantas, de 26 anos, se entregou à polícia de São Paulo na manhã desta quinta-feira (23) dizendo que participou do assassinato do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, no Amazonas.

De acordo com a polícia, Gabriel procurou a Polícia Militar (PM) na Praça da República e disse que participou das mortes de Bruno e Dom, a quem chamou de "dois turistas".

Como não havia nenhum mandado de prisão contra o homem, a Polícia Civil ouviu seu depoimento no 77º Distrito Policial (DP), Santa Cecília, e disse que ele seria apresentado à Polícia Federal (PF), que investiga o crime.

Gabriel disse que morava em Atalaia porque fugia do Comando Vermelho, facção criminosa oriunda do Rio de Janeiro, que o ameaçou de morte.

Ainda de acordo com o depoimento, ele estava bebendo com Pelado, que o chamou para pilotar sua canoa e saíram. O homem ainda falou que não sabia o que o colega iria fazer, mas que o viu atirando primeiro em Dom e depois em Bruno.

Após o episódio, segundo Gabriel, o Pelado chamou mais dois homens. E que os ajudou a "dar fim nas coisas de Bruno e Dom, jogando as mochilas e coisas na margem do rio." Falou ainda que depois disso fugiu, passando por Santarém, Manaus e Rondonópolis até chegar em São Paulo.

Segundo o homem, por não aguentar mais toda essa situação, decidiu se apresentar aos policiais militares que o levaram à delegacia.

Bruno e Dom foram assassinados por pescadores ilegais no Vale do Javari, quando viajavam, entre as cidades de Atalaia do Norte e Guajará, na tríplice fronteira Brasil, Peru e Colômbia.

As investigações da PF apontam que a dupla foi perseguida por pescadores ilegais e assassinados. As vítimas teriam sido mortas a tiros e os corpos, esquartejados e enterrados.

Restos mortais foram encontrados pela PF e foi confirmado que pertencem ao jornalista inglês Dom Phillips após análise da arcada dentária. A perícia também confirmou a identificação dos restos mortais do indigenista Bruno Araújo Pereira.

Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como Pelado, e seu irmão, Oseney da Costa, o Dos Santos, teriam matado Bruno e Dom. A dupla está presa.

No último sábado (18), a Polícia Civil do Amazonas prendeu um terceiro suspeito: Jeferson da Silva Lima, o Pelado da Dinha, apontado pela PF como terceiro suspeito de se envolver no assassinato do indigenista e do jornalista.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos