Homem simula suicídio de ex-mulher após enforcá-la até a morte

Mulher foi enforcada e depois teve seu pescoço colocado em uma corda para simular um suicídio. Foto: Pixabay

Um homem de 43 anos foi preso pela Polícia Civil de Minas Gerais na última semana após ficar comprovado que ele sufocou a ex-companheira e depois simulou uma cena como se ela tivesse cometido suicídio.

A vítima Elizângela Gomes Vieira, de 37 anos, foi encontrada morta em sua casa no dia 22 de junho deste ano. Até então, a polícia tratava o caso como suicídio. Porém, os laudos periciais e de necropsia mostraram que, na verdade, ela foi assassinada.

De acordo com informações do delegado Bruno Rezende, a vítima foi enforcada no chão. O suspeito, então, suspendeu a mulher, colocou uma corda em seu pescoço e fingiu que ela teria se enforcado de propósito.

Leia também:

Os laudos mostraram que os ferimentos encontrados no pescoço de Elizângela eram incompatíveis com o enforcamento. Além disso, algumas testemunhas deram depoimentos que demonstraram que seria impossível que a vítima tivesse cometido suicídio.

Em depoimento, familiares afirmaram que subiram no muro da casa da vítima no dia do crime e que viram o corpo dela estendido no chão. Porém, quando entraram na residência, viram que ela estava suspensa por uma corda a cerca de vinte centímetros do chão.

Gilvan Vieira de Pinto, ex-marido da vítima, era a única pessoa presente no local antes da chegada da polícia no local. Além disso, as autoridades descobriram que o suspeito vinha monitorando o celular da vítima três meses antes do crime.

O ex-marido tinha implantado um programa espião no telefone dela e um rastreador no carro da vítima. Sendo assim, ele tinha acesso às mensagens que ela trocava e aos locais que ela ia. Ele foi preso e vai ficar à disposição da Justiça.

Gilvan nega o crime. Porém, ele apresentou duas versões diferentes para o que tinha acontecido no dia do crime. No início das investigações ele afirmou que a vítima tinha cometido suicídio. Depois, ele passou a dizer que um possível amante da ex-mulher tinha cometido o crime.

A última versão também foi descartada. A polícia confirmou que o homem com o qual a vítima se relacionava estava trabalhando no momento em que a mulher foi morta. Além disso, a polícia também teve acesso à folha de ponto assinada por ele e uma filmagem do dia e hora dos fatos.