Homem vence covid após receber tratamento igual ao de Paulo Gustavo e fazer transplante de pulmão

·2 minuto de leitura
Foto: Reprodução/Arquivo pessoal
Foto: Reprodução/Arquivo pessoal
  • Paciente estava internado desde março

  • Cirurgia do tipo foi primeira bem sucedida do Incor

  • Ele não tinha comorbidades

Depois de uma batalha de mais de seis meses contra a covid-19, o analista Henrique Batista do Nascimento, de 31 anos, recebeu alta do hospital nesta segunda-feira (20). Durante os período de internação, o paciente precisou ser entubado, realizou quatro meses de terapia ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea) e fez um transplante de pulmão.

Mesmo sem comorbidades, a doença comprometeu completamente os pulmões de Henrique. Primeiro, ele passou por um tratamento com o ECMO, ou pulmão artificial, o mesmo feito pelo ator Paulo Gustavo, que faleceu em maio deste anos ao perder a luta contra o coronavírus.

Com isso, só restou a opção do transplante, considerado o último recurso para pacientes com covid-19. O primeiro tratamento do tipo foi realizado no Japão, em abril de 2021.

Leia também:

Henrique estava internado no InCor, na cidade de São Paulo. O hospital já executou três procedimentos como este em pacientes com covid-19, mas Henrique é o único sobrevivente.

"Sem o transplante, ele morreria. O pulmão ficou completamente fibrosado. Fica impossível respirar com esse pulmão", explicou o fisioterapeuta respiratório Fábio Rodrigues, que acompanhou a recuperação de Henrique.

Agora, de acordo com o fisioterapeuta, ele passará por uma reabilitação que deve durar entre três e seis meses. Henrique também precisará de acompanhamento médico por todoa sua vida.

"Esse período de internação me fez enxergar a vida com mais leveza, mais pé no freio, sabe? Pra mim, ficar esse tempo longe da minha família [esposa e filho] me fez ter forças pra lutar a luta que fosse e foi o que aconteceu", disse o paciente.

Henrique foi admitido com covid-19 no dia 18 de março no Hospital das Clínicas. Ele precisou ser entubado em 1º de abril. Pouco depois, no dia 13 de abril, foi transferido para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do InCor. Lá, inciou o tratamento com ECMO, a oxigenação artificial. O tratamento só foi interrompido no dia 20 de agosto, quando realizou a cirurgia para receber o novo pulmão.

"Acho que só de estar de volta, acompanhar o crescimento do meu filho, aproveitar muito mais meu casamento e com certeza viajar. Já temos destino marcado para o final do ano, minha família e eu vamos passar o Natal e o Ano Novo em Gramado [RS]. Eu quero muito viver, aproveitar a vida e amar muito mais o dia em que vivemos, o amanhã pertence a Deus”, declarou ao portal G1.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos