Homem vende carro para comprar oxigênio à família: "Presidente genocida"

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
MANAUS , Jan. 15, 2021 -- People queue up to buy oxygen at an oxygen factory in Manaus of Amazonas, Brazil, Jan. 15, 2021. Brazil's northern state of Amazonas moved to send 235 patients hospitalized for COVID-19 to other states as its healthcare system was stretched to the limit, Governor Wilson Lima said Thursday. Hospitals in state capital Manaus are crowded and lack the oxygen needed to treat infected patients, he said. (Photo by Sandro Pereira/Xinhua via Getty) (Xinhua/Sandro Pereira via Getty Images)

Um morador de Manaus precisou vender o próprio carro para comprar um cilindro de oxigênio, em falta nos hospitais do Amazonas, na tentativa de salvar a mulher e os três filhos, infectados pelo novo coronavírus.

Em entrevista à rádio BandNews FM, o homem, que prefere não se identificar, chamou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de “genocida” e contou que todos da família estão em casa, mesmo em estado crítico, porque não há vagas em hospitais.

Leia também

“Eu já gastei R$ 5 mil e gastaria tudo, venderia minha casa, daria a minha vida para que minha filha, meu genro não morram dessa forma tão cruel que esse governo maldito está deixando a população brasileira nesse estado. Detalhe: eu tenho histórico de atleta, apesar dos meus 57 anos sou faixa preta, como esse presidente genocida, e estou na guerra. Não tem essa de ‘gripezinha’, de ter ‘histórico de atleta’, porque há amigos meus que são faixa preta e morreram, isso é balela, enganação com o povo”, desabafou.

De acordo com o morador de Manaus, além da mulher e dos três filhos, uma nora e um genro, que está com 75% do pulmão comprometido, estão contaminados.

Na última quinta-feira (14), ele precisou recorrer a uma empresa privada na capital amazonense. Na sexta, gastou R$ 400 para comprar 20 litros de oxigênio para apenas um dia de tratamento.

“Eu só consegui comprar o gás e a bombinha porque vendi meu veículo, mas eu estou tendo dificuldade de comprar remédios já porque não dá para achar. A minha filha está sendo consultada, mas em uma consulta particular agora. Gastei mais de R$ 1.000,00 só de exame de sangue, mas eu sou grato a Deus por ter dinheiro para arcar com os custos. Tem gente morrendo na rua”, lamentou.