Honda adia sonho olímpico, mas não tira Botafogo dos planos

Honda, do Botafogo

O fato de ter que esperar mais um ano para disputar os Jogos de Tóquio e neles se despedir da seleção japonesa não altera a relação de Honda com o Botafogo. O jogador veio ao Brasil em busca de um lugar para se manter em forma visando à disputa do torneio olímpico, tanto que assinou contrato até dezembro de 2020. Mas o sonho foi adiado.

— As Olimpíadas foram adiadas para o próximo ano. Sem problemas. Agora, posso focar ao máximo em jogar para vocês — escreveu Honda no Twitter.

Honda tem deixado de lado a frieza com a qual enxergou inicialmente a vinda para o Botafogo. Discutir saída não está nos planos.

O GLOBO apurou que o Botafogo quer resolver questões mais urgentes agora, mas não descarta tentar já renovar com o japonês de 33 anos até fim de 2021. Só que precisa de mais jogos para vê-lo em ação. Honda só atuou contra o Bangu, em jogo realizado com portões fechados, e fez um gol de pênalti no empate por 1 a 1.

Honda gosta muito da Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade, e está fazendo aulas de português por vídeo chamada em tempos de coronavírus. Em isolamento, tem mantido a forma com o preparador físico particular.

A família do jogador estava prestes a se mudar para o Brasil, mas, por ora, segue no Japão. Até por conta da pandemia do coronavírus.

- É uma situação atípica, complicada. Elel está treinando dentro de casa. Mas ele está contente no Botafogo. Nem cogitou voltar para o Japão - pontuou o empresário Marcos Leite, responsável por intermediar a transferência para o Botafogo.