Hospitais e funerárias chinesas estão "extremamente ocupados" em meio a surto de Covid-19

Casa funerária em Chengdu, China

Por Martin Quin Pollard

CHENGDU, China (Reuters) - Hospitais e funerárias chinesas estavam sob intensa pressão nesta quarta-feira em meio a uma onda crescente de Covid-19 que consumiu recursos, enquanto a escala do surto e as dúvidas sobre os dados oficiais levaram alguns países a considerar novas regras de viagem para visitantes chineses.

Em uma mudança abrupta da política sanitária, a China começou neste mês a desmantelar sua política rígida de bloqueios e testes extensivos, colocando sua economia a caminho de uma reabertura completa no próximo ano.

A suspensão das restrições, que ocorreu após protestos generalizados contra as medidas, significa que a Covid-19 está se espalhando sem controle e deve infectar milhões de pessoas por dia, de acordo com alguns especialistas de saúde internacionais.

A velocidade com que a China, o último grande país do mundo a avançar para o tratamento do vírus como endêmico, abandonou as regras da Covid-19 deixou seu frágil sistema de saúde sobrecarregado.

A China relatou três novas mortes relacionadas ao coronavírus na terça-feira, ante uma na segunda-feira, números que são inconsistentes com o que as funerárias estão relatando, bem como com a experiência de países muito menos populosos após a reabertura.

A equipe do Huaxi, um grande hospital na cidade de Chengdu, no sudoeste, disse que estão "extremamente ocupados" com pacientes de Covid-19.

Havia longas filas dentro e fora do departamento de emergência do hospital e em uma clínica médica adjacente na noite de terça-feira. A maioria das pessoas que chegavam em ambulâncias recebia oxigênio para ajudar na respiração.

Os estacionamentos ao redor da casa funerária de Dongjiao, uma das maiores de Chengdu, estavam lotados. As procissões fúnebres eram constantes enquanto a fumaça subia do crematório.

“Temos que fazer isso cerca de 200 vezes por dia agora”, disse um funerário. “Estamos tão ocupados que nem temos tempo para comer. Tem sido assim desde a abertura. Antes era cerca de 30 a 50 por dia.”

A China disse que conta apenas as mortes de pacientes com Covid-19 causadas por pneumonia e insuficiência respiratória relacionadas ao coronavírus.

Em um grande passo em direção a viagens mais livres, a China deixará de exigir que os viajantes que chegam ao país entrem em quarentena a partir de 8 de janeiro, disseram as autoridades esta semana.

Além disso, alguns governos estavam considerando requisitos extras de viagem para visitantes chineses.

As autoridades norte-americanas citaram "a falta de dados transparentes" como razões para fazê-lo.

Índia, Taiwan e Japão exigirão um teste de Covid-19 negativo para viajantes da China, com aqueles que testaram positivo no Japão tendo que passar por uma semana em quarentena. Tóquio também planeja limitar o aumento de voos para a China.

(Reportagem de Marting Quin Pollard em Chengdu, Chen Lin em Cingapura e redações de Xangai e Pequim)