Hospital Albert Einstein tem lotação de 104%, com ocupação total e fila de espera

MÔNICA BERGAMO
·1 minuto de leitura
ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 09-12-2020 - Equipe médica na UTI para tratamento da Covid-19 do Hospital Albert Einstein. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)
ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL, 09-12-2020 - Equipe médica na UTI para tratamento da Covid-19 do Hospital Albert Einstein. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O hospital Albert Einstein, de São Paulo, atingiu nesta sexta-feira (26) a ocupação máxima, chegando a 104% de lotação –o que significa que as pessoas terão que esperar em uma fila para poder receber atendimento.

A alta demanda é agravada pelo aumento de internações por Covid-19, mas há pacientes que buscam tratamento para outras enfermidades.

O hospital espera que os doentes que aguardam sejam atendidos em breve, com a alta de outros pacientes e o remanejamento de leitos em suas próprias unidades.

O Einstein registrou, na quinta (25), um recorde de internações por Covid-19: do total de 70 pacientes que buscaram o pronto atendimento, 26 estavam infectadas pelo novo coronavîrus. Nunca tanta gente tinha sido internada por Covid em um mesmo dia —nem mesmo no pico da epidemia em 2020.

O hospital chegou a um recorde de internações pela doença no dia 19 de janeiro, com 155 pacientes, por causa das festas de fim de ano.

A procura arrefeceu e as internações giravam em torno de 125 até a semana passada. Agora, saltaram para 141 doentes em tratamento.

A alta é creditada ao feriado de Carnaval.