Hospital de Bonsucesso vai reabrir quatro prédios na próxima semana e suspender só parte dos atendimentos

Rafael Nascimento de Souza
·3 minuto de leitura
Hospital de Bonsucesso recebeu agentes da Defesa Civil, para avaliar os danos do fogo, e reunião da direção com o Ministério da Saúde
Hospital de Bonsucesso recebeu agentes da Defesa Civil, para avaliar os danos do fogo, e reunião da direção com o Ministério da Saúde

O diretor-geral do Hospital Federal de Bonsucesso, o médico Édson Santana, garantiu que a unidade de saúde não vai fechar, e sim que vai precisar interditar algumas partes. Isto após uma confusão na manhã desta sexta-feira na unidade — entre servidores, seguranças e policiais militares. Santana afirmou que na próxima semana algumas especialidades vão voltar ao trabalho.

Na próxima semana serão reabertos os prédios 3, 4, 5 e 6. A médio prazo, ainda sem data, o prédio 2 volta a funcionar. O prédio 1, atingido pelo incêndio — e que passa por perícia nesta sexta-feira —, terá os servidores realocados até o fim da reforma. Neste período, o HFB vai suspender a hemodiálise e o centro cirúrgico.

Por mais de duas horas, o diretor-geral e representantes do Ministério da Saúde se reuniram para tratarem das medidas a serem tomadas para a recuperação do hospital, atingido pelo fogo na última terça-feira.

— Não existe isso. (O hospital) está parado porque precisamos avaliar a parte elétrica e alguns locais. Mas alguns serviços, na semana que vem, já estarão funcionando. Voltaremos o mais breve possível. Estamos trabalhando 24 horas por dia para resolver esse problema — afirmou o diretor da unidade.

Édson disse que “está sendo avaliada (a transferência de servidores para outras unidades)”.

— É uma possibilidade, disse.

Segundo o gestor, quatro prédios estão livres, e só dois estão interditados pela Defesa Civil. Esses edifícios estão passando por análise nesta sexta-feira e ficarão interditados por tempo indeterminado.

Santana criticou a manifestação dos servidores, realizada desde a manhã na porta do hospital. Os profissionais seguravam cartazes e usavam uma caixa de som.

— Não podemos ficar aqui, 48 horas depois, querendo resolver o mundo porque não vai. Na terça-feira eu posso fazer com vocês uma comissão para a gente acompanhar.

O diretor da unidade de saúde afirmou que todos os exames de pacientes com câncer estão sendo agendados em outros hospitais.

— Todos os exames de oncologia estão sendo remarcados. Estou com a lista de todos que precisam de atendimento. Mas não dá pra resolver tudo em 48 horas. Precisamos de tempo. Todos estão com o telefone anotados, e terça-feira estará tudo resolvido. Estamos tentando resolver a situação com emergência, mais do jeito que está não dá.

Temores sobre o fim das atividades

Luciene Gomes da Silva, auxiliar de enfermagem e uma das representantes da manifestação de funcionários na manhã desta sexta-feira, diz que trabalha há 14 anos no HFB e teme pelo fechamento do local. A profissional pediu clareza nas informações entre a direção do espaço e o Ministério da Saúde.

— Eles estão aguardando a perícia para reabrirem os prédios 4, 5 e 6. Circularam pela internet que eles querem fechar o hospital, inclusive outras unidades teriam pedido informações de funcionários. Se não há laudo técnico porque desmantelar o HFB? O pedido é que sendo liberado um laudo, para a permissão, que seja liberado. Como um complexo hospitalar com seis unidades fica fechado por tempo indeterminado? Cobramos transparência com os funcionários e a comunidade — afirmou Luciene.