Hospital Oceânico em Niterói trata 77 pacientes com sequelas da Covid-19

·2 minuto de leitura

NITERÓI — Com a redução dos casos de internação pela Covid-19, o Hospital Oceânico, em Piratininga, exclusivo para tratamento da doença, passou também a atender pacientes curados, mas que ainda convivem com sequelas. Ao todo, 77 pessoas estão em tratamento no Centro de Reabilitação da unidade, que desde o último dia 23 já realizou 385 atendimentos, entre consultas, triagens e avaliações.

Fadiga, cansaço, dor crônica, fraqueza muscular, limitação respiratória, perda de olfato e paladar são alguns sintomas que parte dos pacientes que superaram a Covid-19 enfrenta após a alta. Mas o que tem chamado a atenção da equipe do Hospital Oceânico é o número expressivo de pessoas com problemas cardíacos.

— Conseguimos mensurar dentre as pessoas atendidas até o momento no Centro de Reabilitação que, de cada dez, três pacientes precisaram da cardiologia, por alguma condição pós-internação. No local já temos especialistas por demanda e, caso percebamos a necessidade de uma outra especialidade médica, vamos nos adaptando. Por ser uma doença recente, centenas de estudos ainda estão em desenvolvimento, e no que tange a reabilitação de sequelas é a mesma coisa — explica Rafael Carraro, diretor técnico do hospital.

Lucilene da Cunha Matos, de 41 anos, apresentou um quadro grave de Covid-19, permanecendo internada na unidade por 33 dias. Depois da alta, ela continuou com dificuldades para respirar, mas conta que vem obtendo melhoras a cada sessão do tratamento pós-Covid.

— Caminhadas curtas já me deixavam sem ar, mas agora, depois de poucos dias de tratamento, consigo perceber a diferença e não sinto quase nada — relata ela, que fez a sétima sessão de reabilitação na semana passada. — Por conta da traqueostomia, precisei de atendimento da fonoaudiologia, mas já tive alta. Agora tenho feito acompanhamento, com psicologia, enfermagem e fisioterapia. O primeiro circuito que eu tentei fazer, não consegui concluir. Hoje já consigo e percebo que a minha força muscular está voltando. Cada dia que saio daqui me sinto melhor — conta ela.

Quando o paciente deixa a internação e continua com sequelas da Covid-19, após o levantamento e a triagem feitos pelas equipes de saúde, é encaminhado para uma consulta. Nela, um médico o avalia e o direciona para o tratamento adequado, que pode ser com fisioterapia, fonoaudiologia, assistência social, assistência médica, enfermagem, nutrição e psicologia, de acordo com cada caso.

A diretora-geral do Hospital Oceânico, Gisela Motta, diz que a experiência da equipe, que atua há mais de um ano no enfrentamento da pandemia, vem fazendo a diferença.

— A equipe do Centro de Reabilitação tenta marcar mais de uma especialidade por dia, para que o paciente, muitas vezes com dificuldade para se deslocar, possa otimizar a sua ida ao hospital. Além disso, essa é uma equipe que já vem combatendo a Covid-19 na unidade, por isso já tem conhecimento prático tanto dos pacientes, que na maioria das vezes estiveram internados no hospital, quanto da doença — afirma Gisela.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos