Hospital processa José de Abreu por tuíte sobre Bolsonaro e pede R$ 100 mil

Valor de ação movida pelo hospital contra o ator é de R$ 100 mil. (Foto: Reprodução/Instagram)

A Sociedade Beneficente Israelita Hospital Albert Einstein está processando o ator José de Abreu por danos morais após uma publicação no Twitter sobre Jair Bolsonaro, feita no dia 2 de janeiro deste ano.

As informações são do portal UOL.

O texto fazia referência a facada que o então candidato à presidência levou de Adélio Bispo de Oliveira durante a campanha eleitoral, na cidade de Juiz de Fora (MG). A publicação associava o hospital a uma suposta armação.

“Teremos um governo repressor, cuja eleição foi decidida numa facada elaborada pelo Mossad [serviço secreto israelense], com apoio do Hospital Albert Einstein, comprovada pela vinda do primeiro-ministro israelense, o matador e corrupto Bibi. A união entre a igreja evangélica e o governo israelense vai dar merda”, escreveu o ator.

Tweet polêmico de José de Abreu foi publicado no dia 2 de janeiro, no dia seguinte a posse de Bolsonaro. (Foto: Reprodução/Twitter)

A cúpula do hospital considerou o tuíte difamatório, e acusa o ator de difamação, ofensa e antissemitismo. O hospital pede R$ 100 mil de indenização, ao que chamam de medida “didática”, como forma de desestimular que outras pessoas repitam atitudes e postagens como a do ator.

Leia mais
Carne de merenda vinha de frigoríficos interditados

No texto da ação do Einstein, movida pelo escritório Milnitzki Advogados, diz que a acusação do ator “é delírio, dir-se-á. O réu seria simplesmente alguém carente de discernimento, um deficiente mental, para usar a terminologia da lei civil”.

“Portanto não importam a qualidade do texto, a higidez do raciocínio (…). O que importa é que o réu elegeu inimigos vulnerados por séculos de discriminação e os colocou como vilões partícipes do processo de derrota de seu candidato na recente eleição presidencial”, completou o hospital.