Hostilizada em voo, Dilma rebate ofensas e ironiza: 'Bom é o Bolsonaro, né?'

Foto: AP Photo/Natacha Pisarenko

A ex-presidente Dilma Rousseff foi hostilizada durante um voo realizado na noite desta quinta-feira (05). Alguns passageiros cantavam "a sua hora vai chegar", em tom de provocação, quando a petista se levantou de seu assento.

Dilma, no entanto, não ignorou as provocações. Aparentando bastante serenidade, ela respondeu ironicamente aos opositores. “Ótimo é o Bolsonaro, né?”, questionou.

Leia também

Diante da réplica de Dilma, os passageiros aumentaram a intensidade dos ataques. Assim, Dilma acrescentou que eles ‘defendem milícias". A partir daí, um passageiro a chama de “bandida” e afirma que Dilma “quebrou” o Brasil. A petista, ainda mantendo a calma, questiona de forma irônica. “Ah é, fui eu, é? Tá ótimo...”

Essa não é a primeira vez que Dilma sofre ataques em locais públicos. Além da ex-presidente, nomes como o deputado federal José Guimarães (PT-CE), o ex-senador Lindbergh Farias e o ministro do STF Gilmar Mendes já passaram por situações parecidas.

Essa não é a primeira vez que políticos e juristas sofrem ataques. O deputado federal José Guimarães, o ex-senador Lindbergh Farias e o ministro do STF Gilmar Mendes já passaram por situações semelhantes.

Alguns políticos, como Flavio Dino (PCdoB), governador do Maranhão, e a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) se solidarizaram com a ex-presidente nas redes sociais.

No fim de novembro, Dilma estudava processar o passageiro que a fotografou dormindo na classe executiva de um voo no qual ela estava indo para um evento. Os organizadores, de acordo com a ex-presidente, arcaram com todos os custos da viagem.