Hotéis e creches para pet fazem sucesso na pandemia

·3 minuto de leitura

RIO — Se nós não aguentamos mais ficar presos em casa na pandemia, imagina os bichinhos de estimação, que nem têm com quem conversar? Para que eles deem uma espairecida e se exercitem sem aglomerações, alguns “pais” têm recorrido a creches e clubes. É o caso da nutricionista Daniela Henriques, moradora do Catete e “mãe” de Happy, de 9 meses.

No início do ano, ela “matriculou” o golden retriever de 9 meses no Espaço Zolina (@espacozolina), em Laranjeiras, onde, uma vez por semana, ele brinca com as monitoras, se diverte na piscina e faz aula de adestramento.

— Ele já entende e reage quando damos comandos básicos como “não”, “fica”, “senta”. Na creche, ele gasta energia e está sempre aprendendo alguma coisa — vibra Daniela.

Quando a quarta-feira chega, Happy já fica na expectativa para ir à aula: Abana o rabinho, pula na porta, puxa a coleira e “até esquece que tem mãe”, brinca Daniela:

— Eu e meu marido temos trabalhado muito na pandemia e não conseguimos passear com o Happy tanto quando gostaríamos. E ele é o amor de nossas vidas. Saber que está seguro e bem tratado na Zolina é uma tranquilidade.

A hora da creche custa R$ 20, e para deixar o animal um dia por semana, das 8h às 17h, paga-se R$ 240 por mês, com aulas de adestramento incluídas. A veterinária Renata Bloomfield, proprietária da creche e dona de quatro gatos e dois cachorros, destaca que é importante o estímulo cognitivo dos animais desde filhotes.

— Queria oferecer um espaço onde os donos pudessem deixar seus cachorrinhos para serem estimulados enquanto eles trabalham, vão ao supermercado ou resolvem outros compromissos — explica Renata, que mora em Laranjeiras.

Na pandemia, a empresária Fabiana Velmovitsky, dona do Club Pet (@clubpetrj), com unidade no Leblon, sentiu que o espaço virou salvação para os bichinhos enclausurados. O clube oferece hotel, creche, aula de natação, clínica e pet shop. Ela conta que, no primeiro mês de pandemia, a procura caiu bastante, mas não demorou para que 70% da clientela retornassem rapidamente. Hoje, são recebidos de 40 a 60 cachorrinhos por dia no hotel e creche. A diária custa de R$ 42 a 92, para a creche; e de R$ 100 a R$ 154, para o hotel. Há pacotes de R$ 228 e R$ 350, conforme o horário. Alguns serviços passaram a fazer mais sucesso, como a entrega dos pets de carro. Os cuidados, que já existiam, ficaram ainda mais rigorosos.

— Nós já usávamos álcool em gel e limpávamos o local e os bichinhos com produtos hipoalergênicos, mas agora fazemos também a limpeza dos pertences. É bom para nós e para os clientes — diz Fabiana.

A publicitária Simone Mesquita é dona de Snoopy, de 9 meses, que chegou á casa dela em outubro do ano passado, já na pandemia. Por sugestão do adestrador, ela começou a levá-lo ao Club Pet, para ajudá-lo na socialização. Atualmente, as visitas variam de uma a duas vezes por semana.

— Faz bem e ajuda no desenvolvimento. Nosso cuidado é: quando ele chega em casa, nós o limpamos novamente — diz.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos