Hotéis pelo Brasil abrigam profissionais da saúde e pacientes na pandemia de coronavírus

CLÁUDIA COLLUCCI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No enfrentamento da pandemia de Covid-19, municípios brasileiros estão recorrendo a quartos de hotéis para abrigar profissionais da saúde e até pacientes sem gravidade.

Em Curitiba (PR), a prefeitura anunciou que vai alugar um hotel exclusivo para médicos e pessoal da enfermagem que não podem voltar para casa por estarem em contato com pessoas de risco. Serão 70 vagas.

Segundo a secretária da Saúde, Márcia Huçulak, há situações de profissionais que moram com pais idosos ou têm mulheres grávidas e bebês ou vivem com pessoas que estão em tratamento oncológico.

"Não podemos colocá-los nessa situação de voltar para casa todos os dias. Por mais que tomem os cuidados, há profissionais que precisam se afastar de seus familiares para não correrem o risco de transmitir a doença a eles ou mesmo de serem contaminados", diz.

A secretária afirma que mesmo profissionais que tiverem quadro de gripe devem ficar afastados.

Huçulak diz que três hotéis foram selecionados e estão sendo sendo vistoriados para ver se preenchem os critérios exigidos pela prefeitura, como ter piso frio lavável.

Em Santa Maria (RS), a rede de hotéis Dom Rafael firmou uma parceria com o Hospital Universitário de Santa Maria (Husm) para hospedar, sem custos, médicos que estão trabalhando no enfrentamento do Covid-19. Serão 23 apartamentos com capacidade para alojar até 50 profissionais.

Segundo José Rafael D'Império, sócio-gerente da rede, a ideia é que eles fiquem hospedados por um período mínimo de 15 dias. Em um primeiro momento, a oferta será para os profissionais que atuam no pronto-socorro e no centro obstétrico. A ação vai continuar enquanto durar a pandemia.

O governo de Fátima Bezerra (PT), no Rio Grande do Norte, também anunciou nesta segunda (23) que um hotel de Natal vai hospedar servidores da saúde que moram com pessoas de grupo de risco.

O grupo de risco da Covid-19 inclui idosos (acima de 60 anos), gestantes e pessoas com doenças respiratórias ou que diminuem a imunidade. Para receber os trabalhadores, o Hotel Senac Barreira Roxa será adaptado de acordo com protocolos de órgãos de saúde.

Segundo nota do governo potiguar, a medida, que fica vigente durante o período da pandemia, visa evitar que servidores tenham que se afastar do trabalho e que exponham seus familiares ao risco de infecção.

Em Criciúma (SC), a prefeitura também alugou 25 quartos de um hotel localizado na área central do município.

No Rio de Janeiro, o governador Wilson Witzel (PSC) sancionou o projeto de lei que autoriza o governo a requisitar hotéis, motéis, pousadas e demais estabelecimentos privados de hospedagem para o cumprimento de quarentenas, isolamentos e procedimentos médicos não invasivos. Há previsão de indenização futura, a ser calculada posteriormente pelo estado.

"Nós estamos com um hotel sendo preparado para receber turistas que estejam infectados, para eles poderem se recuperar", disse Witzel.

Hotéis também começam a ser usados para abrigar pacientes estáveis. Em Presidente Prudente (SP) o hotel Portal D'Oeste ofereceu os seus 150 leitos para a prefeitura utilizar no enfrentamento do coronavírus.

Segundo o prefeito Nelson Roberto Bugalho (PSDB), o espaço deverá ser utilizado para atendimento de pacientes com sintomas de dengue, que, normalmente, só necessitam de hidratação.

"Como a dengue é uma doença em que não há contágio como o coronavírus, destinaríamos o hotel para essa finalidade e deixaríamos as unidades de saúde para atendimento da Covid-19 e de outras situações mais urgentes, ou seja, evitaríamos a propagação de possíveis casos positivos", afirmou Bugalho.

Na Bahia, um hotel desativado em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, vai receber pacientes de longa permanência e alguns que ocupam leitos da rede de saúde estadual.

A medida é para liberar leitos dos hospitais do estado que vão ficar focados no atendimento ao coronavírus.

Segundo o secretário de saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, ainda não há data prevista para o recebimento das pessoas, nem das unidades em que os pacientes transferidos estão internados. O hotel desativado passa por reparos.

"Estamos fazendo adaptações emergenciais. Dentro de poucas semanas vamos trazer pacientes que estão internados nos nossos hospitais, pacientes crônicos de longa permanência [no hospital] que virão aqui para que possamos esvaziar vagas nesses hospitais da rede que serão transformados em centros de referencia para receber pacientes com coronavírus. Não será um hospital do coronavírus, mas será um local que vai receber pacientes de baixa complexidade e longa permanência", explicou o secretário.