Hotel no Egito é esvaziado após morte misteriosa de casal

Reprodução/redes sociais

A misteriosa morte de um casal britânico em um hotel no Egito, na última terça-feira (21), fez com a que a empresa de viagens Thomas Cook tirasse todos os 301 hóspedes do alemão Steigenberger Acqua Magic nesta sexta-feira por precaução.

John e Susan Cooper, de 69 e 63 anos, respectivamente, morreram de insuficiência cardíaca, segundo autoridades locais. No entanto, as circunstâncias das mortes ainda não estão claras.

“A segurança é sempre nossa primeira prioridade, portanto, como medida de precaução, tomamos a decisão de remover todos os nossos clientes deste hotel”, disse a empresa britânica, acrescentando que oferecerá aos clientes hotéis alternativos no resort de Hurghada, no Mar Vermelho, ou a opção de voltar para o Reino Unido nesta sexta-feira.

A empresa afirmou ainda estar ciente “da especulação em alguns meios de comunicação hoje de que suas mortes podem ter sido causadas por envenenamento por monóxido de carbono. Por enquanto não temos evidências para comprovar isso”.

A companhia afirmou ainda ter recebido novos relatos de doenças entre os hóspedes no hotel, mas o gerente do estabelecimento, que é uma franquia da alemã Deutsche Hospitality, afirmou que não há como confirmar tal alegação. Segundo o jornal britânico “Daily Mail”, pelo menos 40 pessoas teriam ficado doentes.

“O relatório preliminar do médico indica que as mortes foram provocadas por causas naturais”, disse Dieter Geiger em um comunicado. “Não há indicações para confirmar as alegações de um aumento da incidência de doenças no hotel”, acrescentou.

Além disso, a filha do casal, Kelly Ormerod, que também passava férias com a família, disse que as causas das mortes não haviam sido estabelecidas e que seus pais eram saudáveis.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores britânico disse que a pasta continua a apoiar a família do casal. (Com informações da Reuters).