Huawei da China vê "negócios como sempre" à medida que impacto das sanções dos EUA diminui

Huawei

Por Josh Horwitz

XANGAI (Reuters) - A gigante de tecnologia chinesa Huawei Technologies Co Ltd. estimou nesta sexta-feira que sua receita em 2022 permaneceu estável, sugerindo que o declínio de suas vendas devido às sanções dos Estados Unidos foi interrompido.

Apesar do aumento das vendas de apenas 0,02%, o presidente rotativo Eric Xu adotou um tom otimista na carta anual de Ano Novo da empresa, onde revelou o número.

"As restrições dos EUA agora são nosso novo normal e voltamos aos negócios como sempre", escreveu Xu na carta à equipe e divulgada para a mídia.

A receita para o ano deve ser de 636,9 bilhões de iuanes (91,53 bilhões de dólares), de acordo com Xu.

Isso representa um pequeno aumento em relação a 2021, quando a receita atingiu 636,8 bilhões de iuanes e marcou uma queda de 30% nas vendas ano a ano, conforme as sanções dos EUA à empresa entraram em vigor.

A carta de Xu não mencionou a lucratividade da Huawei. A empresa normalmente divulga seus resultados anuais completos no primeiro trimestre do ano seguinte.

A receita para 2022 permaneceu bem abaixo do recorde da empresa de 122 bilhões de dólares em 2019. Na época, a empresa estava no auge como a principal fornecedora de smartphones Android do mundo.

Em 2019, o governo de Donald Trump impôs uma proibição comercial à Huawei, citando preocupações de segurança nacional, que impediam a empresa de usar o Android, produto da Alphabet Inc., para seus novos smartphones, entre outras tecnologias relevantes de origem norte-americana.

As sanções fizeram com que as vendas de aparelhos celulares despencassem. A empresa também perdeu o acesso a componentes importantes, o que a impediu de projetar sua linha de processadores para smartphones em sua divisão de chips HiSilicon.

A empresa continua gerando receita por meio de sua divisão de equipamentos de rede, que concorre com a Nokia e a Ericsson . Também opera uma divisão de computação em nuvem.

A Huawei começou a investir no setor de veículos elétricos (EV), bem como em tecnologias verdes na época em que as sanções entraram em vigor.

“O ambiente macro pode estar repleto de incertezas, mas o que podemos ter certeza é que a digitalização e a descarbonização são o caminho a seguir e é onde estão as oportunidades futuras”, disse Xu na carta.