Huawei mente sobre colaboração com governo chinês, afirmam EUA

(22 maio) O secretário de Estado americano, Mike Pompeo

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, declarou nesta quinta-feira (23) que o grupo chinês de telecomunicações Huawei mente sobre sua colaboração com o governo chinês.

"Simplesmente não é verdade. Dizer que eles não trabalham com o governo chinês é uma declaração falsa", disse Pompeo em entrevista à CNBC.

"O CEO da Huawei não diz a verdade ao povo americano, nem ao mundo", acrescentou.

Em plena guerra comercial com Pequim, o governo de Donald Trump colocou a Huawei em uma lista de empresas suspeitas proibidas de comprar equipamento tecnológico americano, ameaçando a sobrevivência do grupo chinês, que depende dos microchips fabricados nos Estados Unidos.

A empresa sediada em Shenzhen, no sul da China, está na das autoridades americanas há tempos, suspeita de espionagem em favor de Pequim.

"Já estamos vendo alguns parceiros (...), alguns países começando a retirar equipamentos da Huawei, ou dizendo que não vão mais usá-los", disse Mike Pompeo, citando empresas britânicas e japonesas.

O diplomata estimou ainda que "outras empresas e outros países" vão boicotar a Huawei "nos próximos dias".

De acordo com os jornais, as americanas Qualcomm e Intel, que estão entre as maiores produtoras de chips eletrônicos, anunciaram que deixarão de fornecer para o grupo de Shenzhen após o período de carência de 90 dias concedido pela Casa Branca.

"Temos um imperativo que é proteger a segurança nacional", justificou Pompeo, destacando que a "missão" do Departamento de Estado é compartilhar esses riscos.

"Eu venho do Kansas, onde trabalhadores americanos criam propriedade intelectual (...) e os chineses roubam essas informações, não é justo", comentou.