Huck, que disse ter 'amor fraterno' por general Villas Bôas, evita criticá-lo por tuíte contra o STF

FÁBIO ZANINI
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 12.03.2018 - O apresentador Luciano Huck. (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 12.03.2018 - O apresentador Luciano Huck. (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Dos nomes citados para a disputa de 2022, Luciano Huck é quem tem mais proximidade com o general Villas Bôas, com a possível exceção de Jair Bolsonaro.

Em dezembro de 2019, o apresentador participou do lançamento de um instituto ligado ao general. No mesmo mês, Huck gravou um vídeo ao lado dele, em que diz: "Eu tenho um amor fraterno por você, eu gosto quando você está perto. [...] Eu me vejo muito em você". Os dois se aproximaram após visita de Huck a tropas do Brasil no Haiti.

Até a noite desta quarta (17), Huck não havia se manifestado sobre a entrevista do general à FGV em que revelava participação do Alto Comando do Exército na discussão sobre o tuíte de 2018 que foi visto como ameaça ao STF.

A revelação gerou críticas de ministros da corte e reação do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), que acabou preso.

Procurado pela reportagem, Huck manifestou-se via assessoria, mas sem criticar o general.

"Todo democrata deve atuar em defesa da independência dos Poderes, da obediência às normas jurídicas e da máxima autoridade da Constituição. As Forças Armadas também têm esta missão e esta responsabilidade. Vimos recentemente nos EUA os comandantes militares repelirem com veemência o sonho autoritário de Donald Trump. Temos que nos manter vigilantes para combater todo movimento que atue para erodir os pilares da nossa democracia", afirmou.