Hungria pede documentos ao Brasil para extraditar traficante conhecido como 'Pablo Escobar brasileiro'

Autoridades da Hungria pediram ao governo brasileiro nesta quarta-feira o envio de documentos para poder extraditar Sérgio Roberto de Carvalho, um ex-policial apelidado de "Pablo Escobar brasileiro". Descrito pela polícia brasileira como um dos "maiores traficantes internacionais", ele está preso desde 21 de junho em Budapeste, a capital húngara.

'Pablo Escobar brasileiro': Traficante conhecido como tenta evitar extradição da Hungria

Mortes no Paraná: O que se sabe sobre caso de PM que matou oito pessoas, seis da própria família

"O Ministério Público pediu às autoridades brasileiras que enviem os dados relativos ao mandado de prisão internacional", informou o órgão da Hungria, de acordo com a Agência Efe.

A solicitação foi feita após o Tribunal de Budapeste ter confirmado em segunda instância o parecer que autorizava a extradição do brasileiro. O advogado de Carvalho havia entrado com um recurso.

O ex-policial é suspeito de comandar uma organização de tráfico de cocaína para a Europa. Dois dias após ser preso, ele se apresentou ao judiciário húngaro. Na ocasião, o magistrado afirmou que Carvalho havia sido preso com base em um alerta vermelho da Interpol emitido por um tribunal brasileiro em novembro de 2020.

A ordem de prisão de Carvalho foi emitida no âmbito da Operação "Enterprise" e permitiu o confisco de "mais de 500 milhões de reais (cerca de 100 milhões de dólares no câmbio atual) da organização criminosa que ele liderava", disse a polícia brasileira.

A polícia húngara informou que havia sido avisada por parceiros internacionais de que Carvalho estava no país, mas que a investigação foi dificultada porque o acusado tinha dez documentos de identidade diferentes.

'Discriminação é crime': membro da OAB fala sobre cerimonialista que negou casamento de lésbicas

Carvalho é acusado de estar envolvido no tráfico de 45 toneladas de cocaína do Brasil para a Europa entre 2017 e 2019 e de ter lavado milhões de dólares por meio de várias empresas de fachada.

Segundo a agência AFP, a defesa de Carvalho alega que o processo contra ele se deu por motivos políticos e seu advogado argumentou que no Brasil ele não teria um julgamento justo.

Procurada pelo GLOBO, a Polícia Federal ainda não informou sobre o pedido do documento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos