Ibiza recebe nuvem de mosquitos tigres-asiáticos, uma das espécies mais mortais do mundo; Espanha teme 'problema de saúde pública'

Espécie pica através de tecidos e transmite zika, dengue e febre amarela.

A Ilha de Ibiza, na Espanha, foi atingida pelos agressivos mosquitos tigres-asiáticos (Aedes albopictus), vetores de doenças como dengue, zika e febre amarela. Em algumas partes do território, a nuvem chega a ser quatro vezes maior que o normal. A informação é do jornal britânico "Mirror".

Segundo especialistas, o fenômeno é um resultado inesperado da pandemia de Covid-19. O lockdown no país fechou hotéis e pousadas, o que teria atraído a espécie.

As autoridades de saúde dizem que os insetos provavelmente estão se criando em piscinas não tratadas. O mosquito tigre-asiático suga sangue, leva de 10 a 12 dias para eclodir e é muito mais agressivo do que seu primo europeu. Ele pode picar até mesmo através de roupas.

Trata-se, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), de um dos animais mais mortais do mundo. "Sua capacidade de transportar e espalhar doenças para os seres humanos causa milhões de mortes a cada ano", diz a entidade.

Em 2018, o Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças alertou que a Espanha havia relatado casos de dengue, e divulgou um relatório mostrando que, entre 2015 e 2019, os estados membros da União Europeia registraram 2.398 infecções por zika associadas a viagens, com a Espanha relatando 15% dos casos.

O governo de Ibiza instou os proprietários de piscinas a purificá-las o mais rápido possível, para evitar "um verdadeiro problema de saúde pública".

Ibiza está sendo reaberta aos poucos, assim como o resto da Espanha. Em breve, garantem as autoridades, os cidadãos poderão nadar e tomar sol na praia, embora em grupos pequenos e obedecendo às regras de distanciamento social.