Ibope: Crivella só ganha entre os evangélicos na disputa contra Eduardo Paes

O Globo
·2 minuto de leitura
Editoria de Arte
Editoria de Arte

RIO — Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira, mostra que o atual prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) ganha do candidato do DEM, Eduardo Paes, apenas entre os evangélicos. Neste segmento, Crivella alcança 45% das intenções de voto no segundo turno, e Paes 34%. Já na reta final do primeiro turno, o atual prefeito aumentou a aposta na preferência deste eleitorado em meio a dificuldades para avançar em outros segmentos. O crescimento das intenções de voto entre os evangélicos ocorreu após declaração de apoio do presidente Jair Bolsonaro, descrito por um líder religioso do Rio como um dos fatores com “maior influência” no mundo evangélico.

A estratégia de Crivella contrasta com sua campanha de 2016, quando procurou se afastar do rótulo de “bispo”. Neste ano, ele levou para a propaganda eleitoral uma versão adaptada da canção gospel “Aleluia porque a luta continua” e intensificou os apelos religiosos nas redes sociais. Líderes evangélicos do Rio, no entanto, se mantêm longe da campanha do atual prefeito.

A pesquisa apontou a liderança de Paes na corrida pela prefeitura do Rio. Entre os votos válidos, o candidato do DEM aparece com 69%, enquanto o atual prefeito tem 31%. Os votos válidos são calculados excluindo brancos, nulos e indecisos da porcentagem. Esta é a forma como o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) calcula os resultados da eleição.

Renda, escolaridade, sexo e idade

Embora ganhe em todos os outros segmentos, o ex-prefeito tem seu melhor desempenho entre as mulheres, com 58% das intenções de voto; os mais jovens — entre 16 e 24 anos —, com 61%; os maiores de 55 anos (61%); os mais escolarizados (59%) e os mais ricos (63%).

Já Crivella se sai melhor entre os homens, com 31% das intenções de voto e os menos escolarizados (28%). O atual prefeito também se sai bem entre os eleitores de 35 a 44 anos (31%) e os que recebem de um a dois salários mínimos ou de dois a cinco, com 25% das intenções de voto nos dois recortes.