Ibovespa mostra indefinição em dia cheio de balanços, com ações de commodities oferecendo suporte

Bolsa de Valores B3

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa não mostrava uma tendência clara nesta terça-feira, com agentes financeiros repercutindo os últimos resultados da temporada de balanços corporativos brasileiros do segundo trimestre, enquanto ações relacionada a commodities ofereciam algum suporte, principalmente Vale.

Às 12:24, o Ibovespa tinha variação negativa de 0,03%, a 113.001,95 pontos. Na máxima até o momento, chegou a 113.626,04 pontos. Na mínima, a 112.689,84 pontos. O volume financeiro somava 9,4 bilhões de reais.

Em Nova York, o Dow Jones avançava com dados de Walmart e Home Depot animando o setor varejista, enquanto a queda nas ações de empresas megacaps de crescimento e sinais de desaceleração da economia global enfraqueciam o Nasdaq e o S&P 500.

A terça-feira também marca o início oficial da campanha eleitoral de 2022, com a Tullett Prebon Brasil destacando que o tema deve tomar cada vez mais conta do radar. "Será importante observar qual seria a âncora fiscal de Lula", ressaltaram, referindo-se ao ex-presidente Luiza Inácio Lula da Silva.

A campanha começou no dia seguinte à divulgação da primeira pesquisa Ipec, ex-Ibope, neste ano sobre a corrida presidencial, que mostrou Lula com 44% e Bolsonaro com 32% no primeiro turno.

DESTAQUES

- VALE ON avançava 2,24%, a 69,83 reais, recuperando o fôlego após declínio de mais de 2% na véspera, apesar da fraqueza dos preços do minério de ferro na Ásia nesta sessão.

- BRF ON subia 3,14%, a 17,06 reais, também oferecendo um apoio relevante, em dia positivo para ações de empresas de alimentos. JBS ON valorizava-se 2,93%, MINERVA ON ganhava 1,84% e MARFRIG ON tinha alta de 3,82%.

- MÉLIUZ ON caía 10,46%, a 1,37 real, devolvendo parte da alta na véspera, após divulgar prejuízo líquido de 28,2 milhões de reais no segundo trimestre.

- YDUQS ON perdia 12,89%, a 13,85 reais, tendo de pano de fundo prejuízo de 63,3 milhões de reais no segundo trimestre, revertendo resultado positivo um ano antes.

- IRB BRASIL RE ON subia 0,48%, a 2,09 reais, afastando-se das mínimas da abertura, quando caiu mais de 5%, na primeira reação ao balanço trimestral com prejuízo de 373 milhões de reais. A resseguradora planeja concluir seu plano para corrigir uma insuficiência de capital até 31 de outubro.

- POSITIVO ON avançava 2,9%, a 10,63 reais, ampliando a alta em agosto, ainda embalada pelo resultado na semana passada, além da perspectiva para o segundo semestre.

- REDE D'OR ON caía 5,05%, a 37,03 reais, depois de reportar queda de 25% no lucro do segundo trimestre, para 358,4 milhões de reais.

- NUBANK disparava 16,24%, a 5,44 dólares, em Nova York, após salto de 230% na receita total no segundo trimestre. O banco também nomeou Youssef Lahrech como presidente, mas o fundador David Vélez segue como CEO.

- INTER saltava 9,14%, a 3,82 dólares, em Nova York, depois de mostrar lucro líquido de 16 milhões de reais no segundo trimestre.

(Por Paula Arend Laier; edição de André Romani e José de Castro)