Ibovespa passa a ter queda no ano com exterior hostil e riscos político e fiscal no Brasil

·3 minuto de leitura
Operadores durante sessão na Bolsa de Nova York.

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em queda pelo segundo pregão consecutivo nesta terça-feira, renovando mínima intradia desde abril e voltando a ficar no vermelho no acumulado do ano, em meio a um ambiente externo hostil, com preocupações sobre o crescimento econômico e sem alívio nos ruídos fiscais e políticos no Brasil.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 1,07%, a 117.903,81 pontos, na véspera de vencimentos de opções sobre o Ibovespa e do índice futuro. No pior momento, caiu a 116.247,81 pontos, menor patamar intradia desde 5 de abril. No ano, agora acumula queda de 0,94%.

O volume financeiro na sessão somou 38 bilhões de reais.

A disseminação da variante Delta do coronavírus em vários países tem ampliado preocupações sobre a retomada econômica, com números mais fracos do varejo norte-americano pesando em Wall Street e contaminando a bolsa paulista.

Para o líder de alocação de renda variável da Blue3, Victor Licariao, o aumento do risco geopolítico por causa da questão EUA/Talibã e dúvidas sobre o crescimento na China também pressionam as ações, deixando o cenário externo mais turvo, além de incertezas políticas e fiscais no Brasil.

A falta de definição no Congresso em relação à votação de etapa da reforma tributária, segundo o sócio e economista da VLG Investimentos, Leonardo Milane, também adiciona aversão a risco na bolsa paulista.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que tentará colocar em votação o projeto que muda regras do Imposto de Renda no plenário da Casa nesta terça-feira, mas reconheceu que a análise pode ser mais uma vez postergada.

DESTAQUES

- EMBRAER ON caiu 6,63%, no segundo pregão seguido de baixa, corrigindo parte da alta acumulada em agosto até a última sexta-feira, de 11,8%, na esteira da repercussão positiva ao balanço e a perspectivas de desempenho.

- VALE ON caiu 1,65%, maior pressão de baixa no Ibovespa, em sessão de queda dos preços futuros do minério de ferro na China. No setor de mineração e siderurgia, o sinal negativo prevaleceu, com destaque para USIMINAS PN entre os papéis do Ibovespa, com queda de 5,09%.

- IRB BRASIL RE perdeu 3,66%, tendo atingido mínima histórica no pior momento, afetada por prejuízo de 206,9 milhões de reais no segundo trimestre, menor do que a perda de 656,7 milhões de reais um ano antes, mas revertendo o lucro de 50,8 milhões de reais no primeiro trimestre.

- YDUQS ON avançou 6,23%, após reportar lucro líquido de 116,5 milhões de reais no segundo trimestre, ante prejuízo um ano antes, desempenho apoiado em um melhor faturamento e medidas de cortes de custos.

- CEMIG PN subiu 2,81%, na esteira de lucro líquido de 1,94 bilhão de reais no segundo trimestre, alta de 80% ante igual período do ano passado, apontando resultados positivos tanto nas operações de geração e transmissão quanto de distribuição.

- PETROBRAS PN fechou estável, apesar da queda do petróleo no exterior, com o Brent caindo 0,69%.

- ITAÚ UNIBANCO PN cedeu 0,36% e BRADESCO PN perdeu 0,39%, com agentes financeiros monitorando desdobramentos ligados a mudanças tributárias propostas pelo governo federal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos