Ideia é que os consumidores possam atuar como fiscais dos preços dos combustíveis

***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  17-06-2014 -  O  presidente americano Joe Biden durante declaração à imprensa na Embaixada Americana em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, BRASIL, 17-06-2014 - O presidente americano Joe Biden durante declaração à imprensa na Embaixada Americana em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou na sexta-feira (11) que o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, "não quis ouvir" as advertências de Washington de que a Rússia invadiria o país.

"Muitos pensaram que estava exagerando ao mencionar um ataque russo contra a Ucrânia antes do início [da invasão]", afirmou o presidente americano em Los Angeles. "Mas eu sabia que tínhamos informações de que isso estava acontecendo, [as forças russas] iam atravessar a fronteira. Não havia dúvida e Zelenski não quis ouvir", disse.

O governo dos Estados Unidos começou a alertar sobre os preparativos para uma invasão da Ucrânia no fim do ano passado, meses antes de Putin anunciar a "operação especial" contra o país em 24 de fevereiro. As advertências provocaram incredulidade e críticas de alguns aliados europeus, que consideravam Washington muito alarmista.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos