Idosa está na UTI após ser picada por cobra e ter dois AVCs no litoral de SP

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
A cobra que picou Maria - Foto: Arquivo Pessoal
A cobra que picou Maria - Foto: Arquivo Pessoal
  • Maria de Fátima foi picada por uma jararacuçu em frente à sua casa

  • Ela sofreu dois AVCs e encontra-se em estado grave, na UTI de um hospital na Praia Grande

  • Sua filha relatou o descaso dos centros médicos em relação às medidas contra a Covid-19

Uma mulher de 63 anos está internada em uma UTI no litoral de São Paulo após ser picada por uma cobra em frente à sua residência. Maria de Fátima Barbosa Greca sofreu dois acidentes vasculares cerebrais (AVCs) por conta do veneno da jararacuçu, segundo informações do G1.

O caso aconteceu na última quinta-feira em Itanhaém, onde Maria vive no bairro Chácara das Tâmaras. Ao abrir o portão da residência, a mulher pisou acidentalmente no animal e sofreu a picada.

Leia também:

"Eu estava em casa com meu outro filho, quando ouvi o grito dela pedindo pelo meu filho David e falando 'socorro'. Na hora, sai correndo. Foi quando vimos que ela tinha sido picada pela cobra e que já tinha sofrido o primeiro AVC. Saímos correndo para levá-la ao hospital", explicou o marido de Maria, Cesar Deivid Greca, de 67 anos.

A mulher foi levada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Jardim Sabaúna, onde recebeu soro antibotrópico, para neutralizar o veneno. Mas na noite da mesma quinta-feira, ela começou a sentir formigamentos nos braços e nas pernas, resultados de um novo AVC.

Maria de Fátima está em estado grave - Foto: Arquivo Pessoal
Maria de Fátima está em estado grave - Foto: Arquivo Pessoal

Na sexta, os médicos decidiram intubar a paciente. No fim da tarde, ela foi transferida para o Hospital Irma Dulce, na Praia Grande, onde foi submetida a cirurgia para retirada de um coágulo na cabeça. Desde então, está internada na UTI desde então, em estado grave, segundo a família.

Descaso nas medidas de proteção contra Covid-19

Filha de Maria, Danielle Greca denunciou ao G1 o descaso da UPA e do Hospital Regional de Itanhaém nas medidas de restrição contra a Covid-19. De acordo com ela, nenhum dos centros médicos possuía ala exclusiva para pacientes com o vírus.

"É um descaso o que fizeram, tanto na UPA como no hospital. Estão recebendo pacientes com Covid-19. Então, as pessoas são colocadas na mesma ala. Minha mãe, que é hipertensa, não poderia ficar parada lá, deveria ter sido levada para uma UTI rapidamente", disse.