Idosa morta por bala perdida em São Gonçalo cuidava dos netos quando foi atingida

Rafael Nascimento de Souza
Maurício Pessanha, 54 anos, sobrinho e afilhado de Lisete Pereira, de 78 anos

RIO — Lisete Pereira, de 78 anos, atingida no peito por uma bala perdida na manhã de domingo, no bairro Arsenal, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, estava cuidando dos netos quando foi morta. É o que conta o sobrinho e afilhado da aposentada, Maurício Pessanha, de 54 anos.

— Ela estava varrendo o quintal de casa quando foi atingida. Minha tia ficou na casa cuidando das crianças para irmos ao mercado — disse o motorista.

A idosa chegou a ser socorrida no Hospital estadual Alberto Torres, no Colubandê, mas já chegou morta ao local. Na manhã desta segunda-feira, parentes e amigos estiveram no Instituto Médico Legal (IML) de Tribobó para liberarem o corpo.

Segundo o sobrinho da idosa, quem a socorreu foi a mulher dele. Os netos da mulher não viram ela morta.

— Minha esposa me ligou dizendo que ela tinha sido baleada e eu fui correndo para o hospital, mas, infelizmente, ela já chegou morta — disse Pessanha.

De acordo com o motorista, a tia dele foi baleada por volta das 9h, no momento que havia uma operação da polícia. Os netos da mulher não a viram morta.

— Teve um tiroteio quando a polícia invadiu. Eu não sei muito bem o que aconteceu — lembra.

Indagado sobre o sentimento de perda, o homem se emocionou:

— É uma perda grande porque ela era minha tia e madrinha. Nunca é bom perder — afirmou.

O enterro de dona Liste será as 15h, no Cemitério São Miguel, em São Gonçalo.

Disputa de facções

Região conflagrada, o bairro Arsenal tem sido palco de uma disputa entre duas facções criminosas. Na guerra entre os traficantes, quem está sendo vítima são os moradores. Neste domingo não foi diferente. Após uma briga das duas facções, a Polícia Militar foi ao local para fazer uma operação.

Horas antes de a idosa morrer baleada, o 7º BPM (São Gonçalo) fez uma operação na Comunidade da Dita, próximo ao Arsenal. houve um intenso confronto. Ninguém foi preso e não houve apreensão de armas ou drogas. Na manhã desta segunda-feira, sem citar a ação militar na região, a PM disse que “o 7ºBPM foi acionado devido à entrada de uma senhora ferida por disparo de arma de fogo no Hospital estadual Alberto Torres. No local, o fato foi constatado e a ocorrência ficou a cargo da 75ª DP (Rio D’Ouro)”.