Idoso precisa confirmar data da 3ª dose antes de vacinação na cidade de SP

·4 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 16.06.2021 - Vacinação contra a Covid na UBS Max Perlman, na zona sul de São Paulo. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress) ORG XMIT: AGEN2106161118433967
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 16.06.2021 - Vacinação contra a Covid na UBS Max Perlman, na zona sul de São Paulo. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress) ORG XMIT: AGEN2106161118433967

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cidade de São Paulo já está aplicando a terceira dose da vacina contra a Covid-19 em pessoas com mais de 70 anos desde segunda-feira (27). Contudo, apenas quem tomou a segunda dose há pelo menos seis meses está autorizado a receber o reforço do imunizante. Por isso, é essencial que o idoso confirme se pode receber a vacina antes de sair de casa.

Usando como base as datas divulgadas pela Prefeitura de São Paulo, gestão Ricardo Nunes (MDB), para a aplicação da primeira dose, a reportagem usou o primeiro dia autorizado para determinada idade tomar a vacina para planejar o período necessário para cada faixa etária.

Os idosos que tomaram o imunizante da AstraZeneca, como primeira e segunda dose, ainda não podem ir aos postos de vacinação. Os cidadãos com mais de 90 anos, que puderam tomar a dose inicial da fabricante no dia 5 de fevereiro e a segunda do dia 30 de abril, poderão receber a vacina de reforço no dia 30 de outubro.

Todos que têm 77 anos ou mais e que tomaram as doses da Coronovac já podem tomar a terceira aplicação com Pfizer. Pessoas entre 68 e 76 só poderão ir em outubro, em diferentes datas. Já os munícipes entre 60 e 67 estarão permitidos em novembro, em dias estipulados.

A vacina da Pfizer não foi incluída na lista, pois passou a ser aplicada como primeira dose em maio deste ano em pessoas de 60 a 62 anos de idade. Como o intervalo entre a primeira e a segunda era de 12 semanas --antes da antecipação para 8 semanas--, a regra vale a mesma da AstraZeneca.

Para receber a dose adicional, o idoso deve levar um documento de identificação, o comprovante de vacinação físico ou digital, e um comprovante de residência na capital paulista.

De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, cerca de 174 mil pessoas poderão tomar o reforço na capital.

Ainda não existe previsão em São Paulo, mas o Ministério da Saúde já orienta dose de reforço em idosos acima de 60 anos.

"É possível no final do mês de setembro já ofertar para os idosos brasileiros uma dose de reforço da vacina. Além das pessoas com mais de 70 anos e dos profissionais de saúde que já foram anunciados como contemplados com o reforço, agora o Ministério da Saúde vai atender aqueles com mais de 60 anos", disse Marcelo Queiroga, ministro da Saúde.

O desencontro de informações atrapalhou a vida de setentões, que pensavam já poder tomar a dose de reforço do imunizante nesta segunda (27) e terça (28).

Depois de tomar a primeira dose no dia 26 de março e a segunda em 16 de abril, Wanduir Durant, 70 anos, servidor federal, pensou que já pudesse tomar a terceira dose e foi na UBS (Unidade Básica de Saúde) Nossa Senhora do Brasil, na Bela Vista (região central da capital paulista).

"Fui até a UBS perto de casa e me informaram que não poderia tomar a terceira dose. Além de mim, uma fila de mais pessoas da minha idade foram mandadas embora", diz Wanduir. "Essa falta de informações do governo é um descaso coletivo", completa.

Caso parecido com Cleide Nébias, 74 anos, que foi na UBS Dr. Manoel Joaquim Pera, na Vila Madalena (zona oeste de SP), e já tomou as duas doses da vacina Coronovac nas datas estipuladas.

"Ao apresentar o comprovante das duas doses a funcionária que estava na porta informou que eu e meu marido poderemos tomar no dia 09 de outubro e que será a Pfizer", afirma. "Os profissionais do posto são sempre muito gentis", completa Cleide.

Orlando Ranieri Júnior, 70 anos, foi até o Centro de Saúde Escola Geraldo de Paula Souza, no Sumaré (zona oeste da cidade de São Paulo), mas só foi informado que não poderia tomar a terceira dose quando chegou sua vez.

"Cheguei na fila às 6h30 e permaneci até a abertura do posto de vacinação, mas me falaram que tinha que voltar somente no fim de outubro", diz.

Em nota à reportagem, a Prefeitura de São Paulo, gestão Ricardo Nunes (MDB), por meio da Secretaria Municipal da Saúde, afirma que uma vez aberto o calendário de vacinação para determinado público, o munícipe está apto a receber a imunização em qualquer tempo da campanha vigente.

"Atualmente, a vacinação na capital acontece de maneira escalonada. Os idosos com mais de 70 anos e que tomaram a segunda dose há mais de 6 meses estão aptos a receber a dose adicional", diz.

A pasta ainda afirma que o munícipe deve procurar o posto de vacinação mais próximo de sua residência para completar o seu esquema vacinal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos