Idoso realiza sonho de se tornar físico aos 89 anos: 'Queria me manter ativo, não passar a vida apenas sentado'

·2 min de leitura

Aos 89 anos, Manfred Steiner, que vive em Rhode Island, nos Estados Unidos, realizou um sonho: o de se tornar físico. O desejo de seguir essa carreira surgiu na juventude, mas a família o convenceu a cursar medicina. Após anos de uma carreira de sucesso, dedicada a estudar o sangue e doenças relacionadas a ele, foi aprovado no doutorado de física e recentemente defendeu sua tese após anos de estudo na Universidade Brown.

— Foi algo como um desejo nunca realizado, que ficava sempre na minha cabeça. Eu também sempre pensei que quando eu terminar com a medicina, não ia querer passar minha vida apenas sentado e talvez jogando golfe ou algo assim. Eu queria me manter ativo. Eu consegui. E esse foi o ponto mais gratificante da minha vida, terminar essa etapa — disse em entrevista à AP.

Nascido em Viena, na Áustria, Steiner decidiu que se tornaria um físico após ler sobre Albert Einstein e Max Planck. Ele admirava a precisão alcançada pelos cientistas da área. Depois da Segunda Guerra, porém, mãe e tio o aconselharam que estudar medicina seria uma escolha mais acertada para a época que estavam vivendo e assim foi feito. Ele se formou em medicina pela Universidade de Viena em 1955 e mudou-se para os Estados Unidos apenas algumas semanas depois.

O médico então estudou hematologia na Universidade Tufts e bioquímica no Massachusetts Institute of Technology (MIT) antes de se tornar hematologista na Brown. Ele se tornou professor titular e liderou a seção de hematologia da faculdade de medicina entre os anos 1985 a 1994. O médico ainda atuou na formação de um programa de pesquisa em hematologia na Universidade da Carolina do Norte, onde atuou como diretor até se aposentar da medicina em 2000.

Casado há 61 anos com Sheila, de 93 anos, Steiner têm dois filhos e seis netos. Ele conta que sempre se sentiu satisfeito com as pesquisas médicas, mas que elas não despertavam o mesmo fascínio que ele tinha pela física. Em sua tese, defendida em setembro após ele se recuperar de uma grave condição de saúde, ele estudou como os elétrons em metais condutores se comportam mecanicamente. Ele conta que espera ajudar, professores e alunos com suas pesquisas.

— Não estou procurando um trabalho remunerado. Já passei disso — contou, rindo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos