Idoso recebe vacinas diferentes em SP; secretaria fala em "caso isolado"

Colaboradores Yahoo Notícias
·2 minuto de leitura
Idoso João Raimundo de Sousa recebeu, por engano, as primeiras doses da Coronavac e da vacina da Oxford/AstraZeneca, em Bertioga (litoral de SP)

Um idoso de 93 anos recebeu vacinas diferentes contra o novo coronavírus em uma UBS (Unidade Básica de Saúde) de Bertioga, no litoral de São Paulo. O aposentado João Raimundo de Sousa tomou a Coronavac em 10 de fevereiro, mas ao voltar ao posto médico para a segunda dose, em 3 de março, os profissionais aplicaram o imunizante da Oxford/AstraZeneca.

Leia também:

Em entrevista ao portal G1, a filha do aposentado, Fatima Regina de Sousa Miguel, contou que no dia de tomar a segunda dose deixou o pai dentro do carro e foi pedir para que uma profissional aplicasse a vacina no idoso.

“Falei para as duas enfermeiras que me atenderam que ele tinha ido tomar a segunda dose do Butantan, ela preencheu uns papéis, pegou o cartão de vacinação e entrou na enfermaria para pegar a vacina. Nessa sala, eu informei uma terceira enfermeira de que ele iria tomar a segunda dose da Coronavac”, disse ela.

Horas depois, as profissionais foram à casa do idoso comunicar que haviam aplicado a vacina de Oxford/AstraZeneca: “Veio a enfermeira que tinha aplicado, a chefe da enfermeira e uma terceira pessoa na minha porta. Eu fiquei assustada, perguntei o que tinha acontecido e elas disseram que o meu pai tinha tomado a dose da vacina que não era do Butantan. Eu gelei, pensei que ia dar uma reação. Ele não teve nada, está bem”.

Fatima foi informada de que o pai ficaria em acompanhamento para verificar se ele teria reações, mas o idoso precisaria tomar a segunda dose da vacina de Oxford, que foi marcada para 26 de maio, conforme está descrito no comprovante de vacinação.

Procurada pelo portal G1, a Prefeitura de Bertioga, por meio da Secretaria de Saúde informou que tomou ciência do ocorrido e que se trata de um caso isolado. Segundo a pasta, houve uma falha humana durante a aplicação do imunizante no idoso, que recebeu doses diferentes de vacinas contra a Covid-19 e agora deverá receber a segunda dose da Coronavac, pois é o que recomenda o Grupo de Vigilância Epidemiológica (GVE).