Idosos passam mal e desmaiam na fila da vacina em Duque de Caxias

Flávio Trindade
·2 minuto de leitura

RIO — Os idosos de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, viveram mais um dia de sofrimento na busca pela vacina, nesta segunda-feira, quando a prefeitura da cidade começou a imunizar a faixa etária de 70 anos. Em um processo mais uma vez mal organizado, as pessoas foram obrigadas a ficar numa fila sob um sol de 39 graus e a todo momento se repetiam cenas de gente passando mal e tendo de ser amparada por parentes ou agentes da Defesa Civil.

Mesmo com o início da vacinação marcado para as 7h, muitos idosos e parentes começaram a chegar à Praça da Apoteose, na Vila São Luiz, ainda de madrugada, assim como ocorreu em Belford Roxo, também na Baixada, na semana passada. Assim, pela manhã a fila para imunização já alcançava aproximadamente um quilômetro de extensão. Paralelo a isso, a fila de carros para vacinação drive-thru contornava a praça e seguia por ruas do entorno.

Aguardando na fila desde as 5h da manhã, a aposentada Neuza Ferreira, de 71 anos, sofria com o sol forte e reclamava do tratamento recebido pelos idosos no local.

— Eu vim vacinar imaginando que seria um perrengue, mas está pior do que vi na televisão. Como eles podem deixar tantos idosos assim no sol, sem nenhum amparo? Já vi vários saindo da fila carregados e outros desistindo — desabafou.

Em um canteiro da praça, idosos que passavam mal eram colocados sentados ou deitados, mas não pelos funcionários do posto, e sim por parentes ou outras pessoas da fila que se solidarizavam com o sofrimento de quem aguardava.

Depois de desmaiar e ser socorrida pelo filho e outras pessoas, dona Romilda Oliveira tentava se recuperar sentada no canteiro. Somente depois de muita reclamação e gritaria de outras pessoas na fila, agentes da Defesa Civil foram socorrê-la e a levaram para a tenda para ser vacinada.

— Eu estou aqui desde 4h30 da manhã. É muito sofrimento para alguém da minha idade ter de passar por isso. Não queria ser vacinada passando na frente dos outros, mas teve de ser assim — lamentou.