Idosos se aglomeram em pé em fila de banco, mesmo com agência vazia

Extra
·2 minuto de leitura

Idosos que foram a uma agência do banco Bradesco em Ipanema, Zona Sul do Rio de Janeiro, nesta terça-feira (02), tiveram que esperar por atendimento em pé, em fila na área dos caixas eletrônicos, apesar de o interior da agência ter cadeiras vazias.

Clientes relataram ao EXTRA que o tempo de espera superava 40 minutos.

Leia também:

— As pessoas parecem não estar preparadas, até hoje, para receber seus clientes. É um simples problema de falta de organização. Por que os idosos ficam em pé do lado de fora e depois do vidro da entrada, se o banco está cheio de cadeiras vazias? — reclamou a filha de uma idosa, que não quis se identificar.

Retroativo:

Em resposta, o Bradesco alegou que os funcionários estão orientados a organizarem o atendimento nas agências e nas salas de autoatendimento de forma a evitar concentração de pessoas no interior dos ambientes, preservando a recomendação de manter distância mínima de 1,5 metro entre elas. Por isso, a entrada é escalonada.

"Podem entrar de cinco em cinco ou de dez em dez pessoas, dependendo do tamanho de cada agência. O Bradesco redimensionou ainda o atendimento em um sistema de rodízio, no qual os funcionários se revezam em turnos semanais. O objetivo é preservar a segurança de todos os clientes e funcionários, evitando riscos de propagação do novo coronavírus pela proximidade de pessoas", afirmou a nota.

Desde o início da pandemia, a rede de agências do Bradesco está funcionando em horário diferenciado, de 10h às 14h, para o público em geral. Para aposentados e pensionistas do INSS, o atendimento começa uma hora antes e, nos dias de pagamento desse público, a abertura das agências acontece com duas horas de antecedência, ou seja, às 8h.

A instituição ainda reforçou o pedido para que seus clientes priorizem a utilização dos canais digitais para realizar suas operações, como celular, internet, equipamentos de autoatendimento e Fone Fácil.