Igreja católica do Missouri ignorou abusos sexuais contra menores

Igreja católica foi golpeada por escândalos de abuso contra menores nos anos recentes.

O procurador-geral do estado do Missouri, Eric Schmitt, acusou nesta sexta-feira a Igreja Católica de fazer vista grossa diante de uma longa lista de abusos sexuais em seu interior, e denunciou uma dúzia de sacerdotes.

"O abuso sexual de menores por parte de membros das quatro dioceses católicas romanas do Missouri tem sido um escândalo de longo alcance e permanente", disse Eric Schmitt, o procurador de mais alto nível do Meio Oeste americano.

"Durante décadas e diante de informações críveis de abusos, a Igreja se negou a reconhecer as vítimas e concentrou seus esforços em proteger os sacerdotes", disse Schmitt em entrevista coletiva.

O procurador destacou que a investigação envolvendo as dioceses em todo o estado revelou que 163 sacerdotes e outros membros do clero eram alvo de denúncias internas de abuso sexual ou má conduta contra menores.

Deste total, cerca de 80 já morreram, mas o procurador encontrou e denunciou uma dúzia de envolvidos às autoridades locais.

"A resposta padrão aos comunicados de abuso por parte dos líderes da Igreja foi retirar o sacerdote envolvido para um curto tratamento e depois colocá-lo em uma nova paróquia", disse Schmitt.

"Nestes casos, os membros das paróquias - antigas e novas - de um sacerdote acusado não foram informados da razão de sua transferência.

Em relação às vítimas, no melhor dos casos receberam ofertas de serviços de acompanhamento psicológico para "ajudar na recuperação".

Um porta-voz do gabinete de Schmitt disse ao The New York Times que os investigadores foram informados de mais de 100 vítimas de abuso e conseguiram contactar 45 vítimas ou seus familiares.

"Há um sacerdote que fez 21 vítimas, e podemos assumir que abusou de centenas", declarou o porta-voz Chris Nuelle.

O Vaticano está lutando para enfrentar uma epidemia mundial de agressões sexuais por parte de sacerdotes, em particular contra menores.