Igreja da Inglaterra designa primeira mulher para cargo de bispo

1 / 2
A pastora Libby Lane tornou-se nesta quarta-feira a primeira mulher nomeada para o cargo de bispo da Igreja Anglicana, na função de liderar a diocese de Stockport, no centro da Inglaterra

A Igreja anglicana abriu um novo capítulo de seus quase 500 anos de história ao designar a primeira mulher para o cargo de bispo, Libby Lane, que comandará a diocese de Stockport

"É uma alegria inesperada estar aqui. É um dia marcante para mim e um dia histórico para a Igreja", disse Lane, de 48 anos, na prefeitura de Stockport, região central da Inglaterra, onde foi feito o anúncio.

"Sou muito consciente de todos os que antes, homens e mulheres, buscaram durante décadas este momento. Mas, acima de tudo, estou agradecida a Deus", completou.

"Este momento é significativo, mas não é apenas um gesto. Sou a primeira, mas não serei a última".

O arcebispo de York, John Sentamu, informou que presidirá a cerimônia oficial de ordenação na catedral de York, o maior templo gótico do norte da Europa, em 26 de janeiro.

Sentamu disse que Lane chega ao arcebispado com "uma experiência muito rica".

Antes de pronunciar as primeiras palavras com a nova função, Lane pediu um minuto de silêncio pelas 141 vítimas do ataque dos talibãs contra uma escola do Paquistão na terça-feira.

Libby Lane, cujo nome completo é Elizabeth Jane Holden Lane, estudou na Universidade de Oxford e foi ordenada sacerdote em 1994, uma das primeiras mulheres a assumir a função.

Lane toca saxofone, é torcedora do Manchester United e é casada com outro reverendo, com quem tem dois filhos.

"Minha família está muito orgulhosa. Meu marido e eu fomos ordenados juntos há 20 anos e, em nossos ministérios, nos apoiamos e incentivamos", disse.

A nomeação aconteceu um mês depois do sínodo que mudou as regras para permitir a designação. O Parlamento britânico ratificou a mudança.

A emenda que abriu a porta para a nomeação foi batizada como "Canon 33" e estabelece que "um homem ou uma mulher podem ser consagrados à função de bispo".

A aprovação desta reforma pelo sínodo inglês não obriga as outras igrejas anglicanas a ordenar mulheres para o cargo de bispo, mas algumas já haviam se antecipado à Igreja matriz, a da Inglaterra.

A Igreja da Inglaterra nasceu em 1534 de uma cisão da Igreja Católica, quando o Vaticano negou o divórcio ao rei Henrique VIII, e é a matriz da comunidade anglicana, que conta com 80 milhões de fiéis em 165 países.

Seu líder supremo é desde então o monarca, neste caso Elizabeth II, que aprovou a nomeação de Lane.

Quase 40% dos ingleses se declaram seguidores da Igreja Anglicana.

Na Inglaterra, as mulheres podem ser ordenadas sacerdotes desde 1992, mas Gales, Estados Unidos, Austrália, Canadá e Suazilândia se anteciparam na ordenação de mulheres como bispos.

O primeiro-ministro David Cameron felicitou Libby Lane.

"É uma nomeação histórica e um passo adiante da Igreja para uma igualdade maior em suas posições hierárquicas", afirmou em um comunicado.

"E o governo também está desempenhando um papel ao promover esta semana leis que permitirão às mulheres bispos ocupar cadeiras na Câmara dos Lordes", completou, a respeito da Câmara Alta do Parlamento, cujos membros não são eleitos e sim designados, fundamentalmente entre a Igreja (lordes espirituais) e a aristocracia (lordes temporários).

Vinte e seis bispos ocupam cadeiras na Câmara dos Lordes: os cinco principais nomes da Igreja da Inglaterra e os 21 bispos com mais tempo de cargo.