Igreja nos EUA faz acordo de 87,5 milhões de dólares com 300 vítimas de abuso

·1 min de leitura
Diocese de Camden, em Nova Jersey, pode fazer o maior acordo da igreja nos EUA por abusos (Foto: Reprodução)
Diocese de Camden, em Nova Jersey, pode fazer o maior acordo da igreja nos EUA por abusos (Foto: Reprodução)

Resumo da notícia

  • Igreja nos EUA pagará 87,5 milhões para vítimas de abusos

  • Diocese de Camden terá de indenizar 300 pessoas, que foram abusadas entre os anos de 1950 e 1990

  • Acordo ainda tem de ser aprovado pela justiça e, caso seja, será a maior indenização da igreja nos Estados Unidos

Uma igreja nos Estados Unidos fez um acordo para pagar 87,5 milhões (cerca de R$ 275 milhões) em um acordo com vítimas de abusos sexuais, cometidos por padres, sacerdotes e outros membros da igreja.

A Diocese de Camden, em Nova Jersey, divulgou no site da instituição que o valor será destinado a 300 pessoas, que foram abusadas entre os anos de 1950 e 1990. A quantia ainda precisa ser aprovada pela Justiça dos Estados Unidos.

Segundo informações do portal g1, caso o valor de 87,5 milhões de dólares for aprovado, será a maior indenização paga pela Igreja Católica no país. Em 2003, uma igreja em Boston chegou a fazer um acordo de 85 milhões de dólares após um escândalo sexual.

Em nota, o bispo Dennis Sullivan, pediu desculpas às vítimas de abusos dentro da Diocese de Camden. “Minhas preces vão para todos os sobreviventes de abusos e assumo o compromisso de garantir que isso nunca mais aconteça.”

O advogado de 70 das vítimas, Jeff Anderson, afirmou que os detalhes dos abusos não foram incluídos nos documentos do acordo. O pagamento será feito em até quatro anos.

Há três anos, em 2019, cinco igrejas de Nova Jersey listaram nomes de 180 padres acusados de abusos sexuais de menores ao longo de décadas. Alguns já morreram, enquanto outros foram expulsos da igreja.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos