Lavrov acusa países do Ocidente de "mentirem abertamente" em caso Skripal

Moscou, 2 abr (EFE).- A Rússia acusou nesta segunda-feira o Reino Unido, os Estados Unidos e outros países que "os seguem cegamente" de "mentirem abertamente" no caso do envenenamento do ex-espião Sergei Skripal e sua filha Yulia.

"Nossos parceiros ocidentais, sobretudo, o Reino Unido, os EUA e outros países que os seguem cegamente, se esqueceram dos bons gestos e recorrem abertamente à mentira e à desinformação", disse em entrevista coletiva Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia.

Lavrov afirmou que a Rússia responde "com sangue frio", mas exige que todas as acusações realizadas estejam baseadas em fatos.

"A Rússia não tem nada a ver com o envenenamento dos Skripal e estamos muito interessados, acho que mais que qualquer outro, que se estabeleça a verdade e se conheça a sorte de nossos cidadãos", afirmou o chefe da diplomacia russa.

O ministro reiterou que a Rússia não tinha motivos para envenenar os Skripal porque o ex-agente do serviço secreto, condenado na Rússia a 13 anos por entregar segredos de Estado ao Reino Unido, recebeu um "indulto" e foi "libertado" em uma troca de espiões.

"Mas existem também outras explicações mencionadas por alguns especialistas, segundo as quais (acusar a Rússia do envenenamento) pode beneficiar os serviços especiais britânicos, conhecidos pela sua capacidade de operar com licença para matar", disse Lavrov.

Na semana passada, a Rússia anunciou a expulsão de quase 100 diplomatas dos países, a maioria da União Europeia (UE), que se solidarizaram com o Reino Unido pelo caso Skripal e que, no início daquela semana, declararam 'persona non grata' um elevado número de diplomatas russos.

O Kremlin afirma que apenas respondeu a ações inamistosas, e que está disposto ao diálogo e à cooperação com todos os países.

Moscou pediu, até agora sem sucesso, que as autoridades britânicas autorizem uma visita de funcionários consulares russos a Yulia Skripal, cujo estado de saúde melhorou, mas permanece no hospital.

Hoje Lavrov rotulou de "degradante" a recusa de Londres de conceder acesso a Skripal e lamentou que as "várias solicitações" feitas por Moscou sobre essa questão fiquem sem resposta.

Por outro lado, o responsável pela diplomacia russa desejou pronta recuperação a Sergei Skripal.

"Acredito muito que Sergei Skripal seguirá o caminho (de sua filha), porque, pelo visto, os dois foram afetados praticamente na mesma medida", comentou Lavrov.

O governo britânico acusa a Rússia de estar por trás do envenenamento de Skripal e sua filha Yulia no dia 4 de março com um agente químico de fabricação russa em Salisbury, no sul da Inglaterra. EFE