Imagens de câmeras e resultado de perícia serão analisados em caso de cantor que acusa Anderson de estupro

Marcos Nunes
·3 minuto de leitura

RIO — Após o vocalista do grupo Molejo, Anderson Leonardo, confirmar em depoimento que 'manteve relações sexuais' com cantor que o acusou de estupro, as provas aapresentadas e a serem colhidas serão analisadas. Anderson depôs durante quatro horas na tarde desta sexta-feira, dia 5, na 33ª DP (Realegno) e negou que tenha ocorrido o crime contra o cantor e dançarino de 21 anos que o acusa.

— Recebi com surpresa, como toda galera. Acusação de estupro é uma coisa muito séria e não foi isso o que aconteceu — afirmou Anderson. — É importante dizer que eu estava sendo chantageado, mas aguentei tudo calado. Falei, "se você acha que tem que colocar tudo pra mídia, coloca". Pensei que ele ia falar o que tinha acontecido, de sair com ele. Mas não esta coisa de papo de estupro, de cueca com sangue e sêmem. Não sou nenhum menino. Sei muito bem quando uma coisa é forçada e quando não é. As provas estão aí e vão aparecer.

O delegado Reginaldo Guilherme, à frente do caso, disse que o músico confirmou ter tido relações com o MC, mas que teria sido consensual. Anderson disse ter imagens que mostram o rapaz em seus shows mesmo após o dia 11 de dezembro, data em que teria ocorrido o crime.

— O depoimento da vítima foi firme. Disse que eles foram ao motel e que houve conjunção carnal. E o Anderson confirmou isso. Houve conjunção e os dois foram ao motel. O Anderson nega o estupro e tudo leva a crer que não tenha acontecido ( Anderson alegou que a relação foi consensual). Vamos agora apurar o que aconteceu. Vamos pegar imagens de câmeras, aguardar o resultado da perícia no material que o MC trouxe, ouvir uma irmã do cantor, e se preciso for, faremos uma acareação entre o MC e o Anderson — disse o delegado.

Anderson Leonardo chegou por volta das 14h30 à 33ª DP. Segundo a vítima, o crime ocorreu no quarto de um motel, na Zona Oeste do Rio, na noite de 11 de dezembro. Ele disse na delegacia ter sido agredido com tapas no rosto e forçado pelo vocalista a manter relações sexuais.

— Tudo aconteceu de forma consensual. Foi tudo permitido. Esta acusação de estupro eu nego. Meu depoimento já foi dado para as autoridades. Será apurada toda verdade. A verdade é que aconteceu sim uma coisa entre eu (sic) e ele, mas tudo permitido por ambos os lados. Relação sexual foi só uma vez — afirmou Anderson.

Na quinta, o jovem apresentou na delegacia uma cueca e um sabonete, que serão encaminhados para perícia. A polícia pretende analisar, através de um exame de DNA, se há esperma do músico no material.

Em depoimento, o cantor contou que saiu de casa, próximo à meia-noite, para encontrar o Anderson, a fim de conversar sobre sua carreira artística em um clube na Taquara, na mesma região. Em seguida, o vocalista do Molejo o teria levado ao motel.

No local, ele afirma ter sido empurrado na cama por Anderson, que ordenou que sentasse. O pagodeiro então teria tirado a roupa e dado dois tapas em seu rosto, forçando-o a ter relação sexual. O cantor disse ainda que foi agredido, xingado e, ao acordar, deixado em uma rua próxima do estabelecimento.

Em nota, Anderson negou as acusações e disse estar "surpreso" com o caso. "O cantor esclarece ainda que lamenta profundamente as declarações envolvendo seu nome, refutando qualquer ato de violência contra quem quer que seja, negando categoricamente à acusação completamente falsa de agressão sexual feita em seu desfavor. Em mais de 30 anos de vida pública, jamais tivera seu nome ligado a qualquer ato criminoso ou que viesse a desabonar ou macular a sua imagem e carreira, seja de sua vida profissional ou pessoal", diz o comunicado.