Imaginação do menino Scliar chega aos 80 anos

SÓ PODE SER REPRODUZIDA COM ASSINATURA

MAURÍCIO MEIRELES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Qualquer papelzinho que lhe caía nas mãos já era lugar para botar história. Não à toa, ainda criança, Moacyr Scliar (1937-2011) rascunhou suas primeiras narrativas em sacos de pão. A imaginação era alimentada pelas histórias dos imigrantes judeus do Bom Fim, bairro de Porto Alegre onde sua família morava.

Oitenta anos depois --idade que Scliar completaria nesta quinta-feira (23)--, uma programação que vai até o fim do ano celebrará a imaginação do menino. São livros, peças, debates, simpósios e exibição de filmes.

"Acho que a geração que hoje tem 14 e 15 anos já não conhece tanto a obra dele. A memória do brasileiro é curtíssima. Por isso temos feito essas homenagens, e a resposta é sempre grande", diz Judith Scliar, viúva do autor.

O primeiro dos tributos é o lançamento de "A Nossa Frágil Condição Humana" (Companhia das Letras), volume de crônicas sobre temas judaicos organizado por Regina Zilberman.

São textos sobre Anne Frank, a identidade judaica de Kafka, a inquisição ibérica --e, sobretudo, Israel e a política do Oriente Médio. Todos publicados em colunas no jornal "Zero Hora" --Scliar também foi colunista da Folha de S.Paulo, de 1993 a 2011.

Formado em setores de esquerda da comunidade judaica, Scliar desejava uma paz com os palestinos baseada em três pontos: renúncia ao terrorismo, retorno às fronteiras acordadas em 1947 e o fim dos assentamentos.

"As crônicas, de 1970 a 2010, são um documento da relação cada vez mais conflituosa entre Israel e os palestinos", diz Zilberman.

A identidade judaica é algo crucial para ler a obra de Scliar. Ele talvez seja o autor a ter mais sucesso de uma família literária também filiada a essa identidade, com Elisa Lispector (1911-1989) e Samuel Rawet (1929-1984). Para Scliar, ganhador três vezes do prêmio Jabuti, vale lembrar, essa filiação não se dava pela religião.

"Moacyr é o judeu ateu", frisa Regina Zilberman.

Ainda assim, as histórias bíblicas são influência fundamental na obra do autor de livros como "O Centauro no Jardim", "Sonhos Tropicais" e "A Mulher que Escreveu a Bíblia".

Quem tenta explicar o fascínio que as escrituras exercem sobre Scliar --nas parábolas e na linguagem figurada, por exemplo-- é Nélida Piñon, amiga do autor por 30 anos e sua colega na Academia Brasileira de Letras.

"A Bíblia é uma grande narrativa. Você já pensou naquela gente pobre, que andava pelo deserto, levada pelo impulso do vento? Eles passam a admitir o Deus único. Um povo inculto, de pastores, aceita essa invenção espantosa da abstração. E ela traz histórias trágicas, punitivas", diz.

A outra influência marcante em sua obra era sua profissão, a medicina. Depois de exercer algumas especialidades, a veia de esquerda o fez dedicar-se à saúde pública --na qual lidava com os dramas coletivos da sociedade.

O ofício o fez escrever "Sonhos Tropicais", sobre o sanitarista Oswaldo Cruz. Mas já estava também em seu primeiro livro, "Histórias de um Médico em Formação" (1962), que depois ele renegou. E que, mesmo assim, foi um sucesso no Bom Fim --talvez porque sua mãe, não cabendo em si de orgulho, o tenha vendido de porta em porta.